Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

O Sonho Americano

 

 

 



O governo chinês tem vindo a vender a ideia do "Sonho chinês. " Tem vendido à sua população o conceito de uma sociedade próspera e um futuro morderno, cheio de oportunidades. Isso soa muito familiar!


Contudo, os últimos anos podem ser bastante fácil perceber o que aconteceu ao tão almejado sonho americano: o rendimento médio das famílias tem vindo a diminuir à mais de uma década, os licenciados têm dificuldades em encontrar emprego, a população está envelhecida. Com este cenário de fundo, a NASA tem recebido uma fatia do orçamento federal cada vez mais pequena e o tem havido discórdia sobre como resolveros problemas do país (exemplo disso foi o shutdown do Governo norte-americano há uns meses).

A NASA  e o mundo do voo espacial, humano e robótico , não existe fora da realidade que o país enfrenta. Grande parte do mundo ocidental também enfrenta o mesmo tipo de estagnação económica, caracterizado por uma alta taxa de desemprego, especialmente entre os jovens. NASA enfrenta a mesma pressão financeira que afecta o governo federal em geral, assim como muitos indivíduos e organizações do sector privado. Se olharmos para para as sondagens que perguntam se as pessoas acreditam que os EUA estão no caminho certo, verifica-se que não é um dos perídos mais optimistas da história norte-americana. Essa mesma falta de optimismo sobre o futuro é uma das maiores razões para o que haja também uma falta optimismo para o futuro americano no espaço. Muitas pessoas comentando em sites da especialida, expressam o seu pessimismo sobre o futuro dos voos espaciais tripulados da NASA.


O século XX foi muitas vezes referido como sendo o Século Americano. De facto, foi o século dos Estados Unidos cresceu para se tornar militarmente proeminente no mundo, o poder económico, tecnológico, cultural e do espaço.


(partes retiradas do artigo escrito Eric R. Hedman na Space Review e que podem ler na integra aqui. )