Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Chang'e-3 e o soft power chinês

 

 

 

 


O lançamento da Chang'e-3, e a sua cobertura mediática pelos meios de comunicação mundiais, destacaram o facto de que a China tem um programa espacial atraente, científica e tecnicamente sofisticado que poderá servir propósitos na área das relações internacionais. Foi uma demonstração daquilo a que o americano Joseph Nye se referiu como " soft power ": a capacidade de obrigar ou atrair as nações a fazer o que se quiser. O programa espacial chinês dá essa capacidade de atrair parceiros. O problema é algumas das outras actividades chinesas diminuiu a actractividade de possíveis parceiros.


A pessoa que forneceu o comentário da missão foi Xu Yansong da Organização de Cooperação Espacial Ásia-Pacífico (APSCO). O seu inglês foi quase impecável, e os seus comentários foram esclarecedores e no ponto. Como se vê, APSCO, formado no início de 1990, é na verdade uma organização chinesa liderada sede em Pequim. os seus membros incluem Paquistão, Bangladesh, Irão, Mongólia, Peru e Tailândia: potências espaciais não exactamente de primeira linha. APSCO é dedicado à "educação e formação", mas a sua existência demonstra aspirações da China para liderar outros países, para usar as suas capacidades espaciais como um método de influenciar seus vizinhos.


Isto não é incomum. Tanto o Japão como a Índia também criaram outras organizações similares que incluem parceiros menores. Em 1995, a Índia ajudou a criar o Centro de Ciência Espacial e Educação Tecnológica na Ásia e no Pacífico, também com componente educativa e foco em formação. Em 1993, o Japão formaou a Agência Espacial Fórum Ásia-Pacífico com foco principal na prestação de aviso prévio e coordenação para desastres naturais. Tem 20 membros, incluindo seis que também fazem parte do APSCO. Como o professor da Universidade de Fordham Asif Siddiqi ressaltou, num artigo "Uma corrida espacial asiática, Hype ou Realidade?" Estas organizações, que se sobrepõem um pouco nos seus membros e as suas funções, mas apesar de terem missões similares, não são idênticos, resultam do facto de que os poderes maiores da Ásia estão a tentar estabelecer as suas próprias bases de influência na região.


Usar o espaço para fins de relações internacionais remonta ao início dos anos 1960 e da Guerra Fria. Tanto os Estados Unidos como a União Soviética puseram astronautas dos seus países aliados no espaço. A experiência americana é longa e distinta, que data logo após laçamento do seu primeiro satélite e, em seguida, ofereceu-se para ajudar seus aliados a fazerem o mesmo, inicialmente com foguetes norte-americanos e mais tarde com os seus próprios. Os Estados Unidos iniciaram a cooperação espacial com a Grã-Bretanha, Canadá, Japão, Índia e outros países. Na década de 1970, os Estados Unidos incluíram a Europa no seu programa Space Shuttle, com nações europeias a construir Spacelab para a realização de missões de pesquisa no interior do compartimento de carga de transporte. No início de 1980, Ronald Reagan começou um programa para a estação espacial, que incluiu muitos aliados da NATO, bem como Japão. Na década de 1990 , o presidente Clinton mudou o programa da estação espacial num rumo diferente, usando-o como uma ferramenta para trazer a Rússia e para esta estreitar os laços com o Ocidente, e ainda para ajudar a estabilizar algumas das suas indústrias. Muitas vezes o custo e outras preocupações não foram o mais importante para estreitar os laços políticos com parceiros. Surpreendentemente, a administração Obama não procurou usar o voo espacial civil, como uma ferramenta internacional. Na verdade, o cancelamento da administração da cooperação com a Europa na exploração robótica de Marte, sobretudo uma decisão orçamental, tem tido o efeito oposto, levando a Europa a uma cooperação mais estreita com a Rússia e, talvez, China.




(artigo de Dwayne Day na Space Review parcialmente traduzido disponibilizado na totalidade aqui.)