Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Released documents indicate satellite shoot-down was unnecessary, scientists say.

Agosto 28, 2008

Vera Gomes

U.S. News & World Report (8/26, Whitelaw) reported on new evidence that the official reason for shooting down a spy satellite, namely to prevent hazardous rocket fuel from being released on reentry, last February was false. "At the time, critics charged that the Bush administration was using the toxic fuel as an excuse to demonstrate missile-defense and antisatellite capabilities" but with "new evidence...the critics were very likely right." Yousaf Butt of the Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics "obtained U.S. government documents showing that NASA's own analysis concluded that the satellite's fuel tank was expected to burn up completely during re-entry -- even though NASA probably overestimated the tank's chances of survival." Butt, who said that the calculations had "optimistic oversimplifications," stated that "the newly released documents clearly contradict the official explanation for the shoot-down."

 

        The UPI (8/26) noted that Butts "described government modeling as oversimplified and biased against likelihoods that the tank would have burned when re-entering the atmosphere."

Rússia: Medvedev ameaça responder militarmente ao escudo antimíssil EUA na Europa

Agosto 27, 2008

Vera Gomes

Moscovo, 26 Ago (Lusa) - O presidente russo, Dmitri Mdvedev, advertiu hoje que o seu país pode responder com meios militares ao escudo antimíssil norte-americano na Europa, segundo a agência noticiosa RIA-Novosti.

 

Medvedev sustenta que a instalação de um sistema antimíssil próximo das fronteiras russas "irá criar, evidentemente, tensões adicionais".

 

"Temos de reagir de uma maneira ou doutra, reagir, evidentemente, de uma forma militar", disse hoje Mdvedev citado pela RIA-Novosti.

 

As autoridades russas já tinham advertido para uma resposta militar aos planos norte-americanos mas esta declaração do líder russo é susceptível de agravar ainda mais as já tensas relações com o Ocidente.

 

A ameaça surge depois de Medvedev ter reconhecido duas regiões pró-russas como nações independentes, o que foi prontamente criticado pelos Estados Unidos e Europa.

 

 

Lusa/Fim

 

in: noticias sapo

Galileu

Agosto 26, 2008

Vera Gomes

Quando o projecto Galileu foi criado teria unicamente fins civis. Contudo, no passado dia 10 de Julho o Parlamento Europeu aprovou que a constelação de 30 satélites e operacional em 2013 tivese igualmente fins militares.

 

Fica aqui a transcrição da noticia publicada no Center for Defense Information:

 

"The expected deployment of the European satellite navigation system Galileo, comprised of 30 navigation satellites and a ground infrastructure, is set for 2013. The services the system will provide are the Open Service, the Safety of Life Service, the Commercial Service, the Public Regulated Service and the Search and Rescue Service. On July 10, the European Parliament approved military use of the Galileo system that will include surveillance to protect against an array of space threats including space debris. Galileo is being fully funded out of the European Community budget with the European Commission as the contracting authority and European Space Agency as the procurement and design agent. The initial request for industrial bids on the Galileo system was issued July 1, allowing only legal, established contractors in the member states of the European Union to bid. The work packages submitted for bidding include system support, the ground mission segment, the ground control segment, the space segment (satellites), and operations. The sixth work package, launch vehicles, has not been ordered yet but a mix of Ariane 5 and Russian-built Soyuz rockets will potentially be offered from the Arianespace launch consortium. Contracts should be awarded by June 2009. (European Space Agency, July 2, 2008; Deutsche Welle, July 10, 2008; Space News, July 1, 2008) "

European missile defense and military space

Agosto 25, 2008

Vera Gomes

by Taylor Dinerman
Monday, August 25, 2008

 

The August 20th agreement for the stationing of US Ground Based Interceptors (GBIs) in Poland in order to deter or destroy Iranian long-range missiles aimed at Europe or the US was without doubt the direct result of Russia’s invasion of Georgia. From a political standpoint Poland wanted to send both Moscow and Washington an unmistakable signal as to which side they were on, even if it involved making a less-than-optimal deal from Warsaw’s point of view. Now that the agreement has been signed, the US should act generously and give Poland far more support than the US is required to. Also, NATO will have to pay far greater attention to the missile defense issue than it has in the past.

 

In exchange for stationing a mere ten GBIs in Poland, the US has agreed to also place a single battery of PAC-3 Patriot short-range air defense and anti-ballistic missiles on Polish soil. This is far less than Poland truly needs in order to give it a reasonable level or protection against an angry and resentful Russia. This battery is symbolically important, but the Poles need more than a mere symbol.

 

Russia has thousands of tactical and tactical/operational nuclear weapons mounted on ballistic missiles. Ostensibly these are no longer aimed at anyone in particular, but that may not matter much to the Poles or to others in Central and Eastern Europe who once again feel themselves threatened by Russia. These nations have little faith that they can count on their fellow members of the European Union to stand by them in an emergency, so they naturally turn to the US and to NATO for support.

 

It would be a mistake for leaders in Washington to simply see these nations as a place to park a few interceptors. At the same time as the missile defense deal was signed, the US and Poland also signed a Declaration of Strategic Cooperation. This has the potential to be the basis for a new and enlarged set of joint scientific and technological programs with Poland.

 

The Poles have traditionally been a highly scientifically literate people. Copernicus was just the first and best-known Polish scientist. Today there are hundreds of well-trained men and women in that country and elsewhere in the region who are ready to contribute to any number of strategically significant research programs including ones involving missile defense technology. Perhaps some of the Nunn-Lugar money the US has been spending to employ Russian scientists and engineers on projects supposedly intended to keep them from being employed by Iran or other rogue states could be diverted to support researchers in these nations.

 

There is also the open question as to how Poland’s missile defense system will be integrated with the US one. Will Poland, like Japan and Israel, have access on a limited basis to data from the Defense Support Program (DSP) satellites and from the Space Based Infrared (SBIRS) ones that are replacing them? Already the US system is using the large radar arrays in the UK and in Greenland at Thule. The new radar in the Czech Republic may be useful for more than simply tracking missiles from the Middle East.

 

President Sarkozy’s hope for a new European military space force may be an unexpected casualty of Russia’s invasion of Georgia.

Russia has given many of America’s allies, and would-be allies, new reasons to want to integrate their systems with those of the US. The Ukraine has already offered the use of a large former Soviet radar. This would not be of any use in tracking missiles launched from Russia, but would be useful in keep watch over the Mediterranean. It will be interesting to see if France agrees to provide data from the new radar they are planning to build to a NATO early warning system.

 

With a few years Poland and NATO may need to revise the warning and tracking system. A new tactical air defense and missile defense system known as MEADS (Medium Air Defense System) is being built by a joint venture of the US, Germany, and Italy. This system, which uses the PAC-3 missile, might be something that Poland and its neighbors might be interested in procuring. As a multinational program it might be easier to integrate new partners into this program than into a purely American one. It might also make a new NATO missile defense effort more palatable to the Europeans.

 

President Sarkozy’s hope for a new European military space force may be an unexpected casualty of Russia’s invasion of Georgia. The new “Euro DSP” satellites he wants to build may come on line sooner rather than later, but they may be NATO assets rather than EU ones. Poland and the other former Warsaw Pact states may now insist that if Europe is going to build a new set of military space systems that these are built with their requirements in mind. And they may be ready to invest in ones that support the Western Alliance as a whole.

 

Circumstances will force the new US president to take a hard look at the missile defense architecture that Clinton and Bush administrations have put in place. The technology is being developed, tested, and fielded in a slow methodical manner, well-suited to the post-1989 environment. That world is no more. An unhappy change is upon us and America and its allies will have to make some painful adaptations.

Gabinete Português para o Espaço

Agosto 22, 2008

Vera Gomes

Hoje (re)descobri o site do Gabinete Português para o Espaço (GPE). Depois de receber a notícia há um ano que o GPE havia sido extinto no âmbito do PRACE, eis que surge de cara lavada, com um site (mais ou menos) actualizado.

 

Persiste contudo, a falta de visibilidade deste organismo e de promoção de actividades junto de Escolas e parceiros tantos empresariais como educacionais. A politica espacial portuguesa, assim como a sua indústria, prima pela sua discrição e secretismo para o público em geral.

 

Acredito contudo, que com o passar os anos, esta instituição pública possa ter um papel mais activo na promoção do Espaço a nível nacional e que as empresas portuguesas participem nessa promoção.

 

Fica então aqui o site do Gabinete Português para o Espaço.

Rússia suspende cooperação militar com OTAN

Agosto 21, 2008

Vera Gomes

A Rússia decidiu suspender a cooperação militar com a OTAN, confirmou, esta quinta-feira, uma porta-voz da Aliança Atlântica.

 

"Recebemos uma notificação da Rússia, pelos canais militares, dizendo que decidiram parar com as operações militares de cooperação internacional entre a Rússia e os países da OTAN", declarou a porta-voz, Cármen Romero.

 

Esta suspensão tinha sido avançada quarta-feira pelo Ministério da Defesa norueguês, na sequência de contactos militares com a Rússia.

 

Reunidos terça-feira em Bruxelas, os 26 países membros da OTAN pediram terça-feira à Rússia que cumpra a promessa de retirar as suas tropas da Geórgia e decidiram suspender as reuniões do fórum de cooperação que a organização mantém com Moscovo, o Conselho OTAN-Rússia, criado em 2002, até que essa retirada seja feita.

 

Numa primeira reacção, os Estados Unidos consideraram "lamentável" a decisão russa de suspender a cooperação militar e avisaram Moscovo de que, assim sendo, ela só será retomada quando a crise na Geórgia estiver resolvida.

 

"Os russos indicaram ao secretariado da OTAN que pretendem cessar os contactos a nível militar. É lamentável", declarou um porta-voz do Departamento de Estado, Robert Wood.

 

(in Jornal Noticias)

"Retaliação" russa

Agosto 21, 2008

Vera Gomes

A Rússia parece determinada a recuperar o estatuto que outrora teve. Vieram a público noticias que a Rússia irá retaliar contra o sistema de defesa antí-missil americano caso este seja instalado na Polónia. Ameaça ainda retirar-se da NATO e da mesa de negociações que possui com aquela instituição.

 

Podem ler mais sobre o assunto em:

 

"Rússia promete resposta dura a a acordo sobre sistema anti-missil"

 

"Rússia tem planos para cortar relações com a NATO e aliados"

Guerra no Caucaso

Agosto 19, 2008

Vera Gomes

Há dias deixei aqui um artigo sobre a Guerra no Caucaso e como esta poderia deixar os EUA sem acesso à ISS.

 

Deixo agora um artigo publicado no Expresso Online de Miguel Monjardino sobre este conflito que mostra o impacto geopolitico deste conflito.

 

 

'Georgia on my mind'

George Shultz, secretário de Estado da administração Reagan, passou o dia 17 de Abril de 1987 em Moscovo numa série de importantes reuniões com Eduard Shevardnadze, ministro dos Negócios Estrangeiros da União Soviética. Shultz sabia que Shevardnaze e a sua mulher Nanuli adoravam a sua terra natal, a Geórgia, uma turbulenta república soviética no Cáucaso. Durante o almoço, o secretário de Estado americano fez uma coisa inesperada. Em vez da tradicional saúde, Shultz cantou 'Georgia on My Mind', uma famosa canção norte-americana. A seguir um quarteto de funcionários da embaixada dos EUA em Moscovo cantou a canção em russo. Quando os risos e os aplausos pararam, Shevardnaze olhou para Shultz e disse "Obrigado George. Isto mostrou respeito".

 

Esta semana, a Geórgia voltou a estar na mente de muita gente no Cáucaso, em Washington, Moscovo e nas capitais europeias. Só que, desta vez não houve canção, muito menos sorrisos e aplausos. Ao usar pela primeira vez o seu poder militar de uma forma intensa fora do seu território nacional desde o final da Guerra Fria, o Kremlin mandou uma série de recados estratégicos cruciais às antigas repúblicas soviéticas, países europeus e Washington. Estes recados colocam uma série de difíceis problemas e dilemas estratégicos à Europa e aos EUA.

 

Nos últimos 17 anos a área de influência euro-atlântica aumentou imenso. Praticamente toda a Europa Central, Oriental e os Balcãs fazem parte ou estão a caminho de ser membros da NATO e União Europeia, as duas instituições fundamentais para a paz e prosperidade no Velho Continente nas últimas décadas. Em países como a Ucrânia e a Geórgia estão no poder líderes políticos e governos determinados a estabelecer relações privilegiadas com os países europeus e os EUA. No Cáucaso e na Ásia Central, o petróleo e o gás natural prometeram a diminuição da tradicional influência russa e o aumento da de Washington, de alguns países europeus e de Bruxelas. Em termos históricos, tudo isto é inédito e, exceptuando os Balcãs, foi conseguido sem guerras.

 

Do ponto de vista de Moscovo, o alargamento da NATO e da União Europeia até às suas fronteiras foram péssimas notícias. Para o Kremlin estes alargamentos foram uma violação flagrante de uma série de entendimentos negociados no final da Guerra Fria. A guerra pelo Kosovo (1999) e a perda do controlo na Geórgia (2003) e na Ucrânia (2004) causaram calafrios na elite política e militar russa. Determinada a recuperar a sua influência, a Rússia passou os últimos anos a arrumar a casa e à espera de uma oportunidade para mostrar aos seus vizinhos e aos seus aliados europeus e americanos que estava de volta e que tinha a vontade, os meios e o poder para ditar a situação no terreno.

 

O 11 de Setembro e o enorme aumento dos preços do petróleo aumentaram a margem de manobra russa. O primeiro acontecimento desviou as atenções e praticamente todos os recursos políticos e militares dos EUA para o Iraque, Afeganistão/Paquistão e Irão e levou os decisores russos a concluir que o poder de americanos e europeus está em declínio. O segundo garantiu ao Kremlin os meios para começar a levar a cabo uma agenda externa bem mais ambiciosa. Os últimos dias deram a Moscovo a hipótese de ganhar uma espécie de medalha de ouro estratégica, a primeira desde 1991. O Kremlim ganhou esta medalha ao agir militarmente de uma forma unilateral, extremamente rápida e decisiva contra a Geórgia. A maneira como a operação militar contra Tbilissi foi conduzida por elementos do 58º Exército do Norte do Cáucaso e pela 76ª Divisão Aerotransportada 'Pskov' e os factos criados no terreno permitiram à Rússia atingir três objectivos cruciais.

 

O primeiro foi garantir maior influência no Cáucaso do Sul, algo visto como essencial em Moscovo para controlar o que se passa no Cáucaso do Norte, um dos tradicionais pesadelos históricos russos. Se tivermos isto em conta, a possibilidade de Tbilissi recuperar a Ossétia do Sul e a Abhkázia é agora nula. O segundo objectivo, foi aumentar imenso o preço a pagar pelas capitais europeias, EUA e Canadá pela eventual entrada da Geórgia e da Ucrânia na NATO. A paz punitiva que Moscovo tem em mente para Mikhail Saakashvili e o seu governo visa claramente tornar o país instável e ainda menos apetecível para membros influentes da NATO como a Alemanha, França e Itália. Não de certeza por acaso que os presidentes da Polónia, Ucrânia, Lituânia, Estónia e Letónia estiveram a meio da semana em Tbilissi a prestar solidariedade a Mikhail Saakashvili. O debate sobre este assunto será intenso e dividirá profundamente os países europeus. Finalmente, a acção militar russa pôs claramente em causa a credibilidade regional dos EUA. Na hora da verdade, Washington não teve nem os meios nem a vontade política necessária para proteger um aliado em grandes dificuldades.

 

Os últimos dias tornaram claro que o tempo dos saldos estratégicos russos a que europeus e americanos se habituaram nos últimos anos acabou. E agora?

 

 

A bomba chinesa

 

Mais uma semana, mais notícias sobre a imparável ascensão chinesa. Esta semana tivemos notícias sobre mais medalhas de ouro chinesas nos Jogos Olímpicos em Pequim. Ficámos também a saber que a China tem o maior número mundial de utilizadores da Internet - 253 milhões de pessoas. Tudo indica que para o ano a China ultrapassará os EUA na produção de bens manufacturados. A liderança dos EUA na produção destes bens dura há mais de 100 anos. Pequim parece hoje em dia imparável mas não é. A melhor maneira de ver isto é olhar para a demografia do país. A China tem actualmente 100 milhões de pessoas com mais de 60 anos. Em 2050 terá à volta de 335 milhões. Destes, 100 milhões terão mais de 80 anos. O problema é que a enorme maioria dos chineses não tem segurança social. Estamos a falar de centenas de milhões de pessoas. A demografia é a bomba invisível na China.

Miguel Monjardino"

 

 

 

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow