Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

IAC 2014 começou em Toronto sem Rússia e China

Setembro 30, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

 

 

 

Começou ontem um dos maiores congressos na área de astronáutica e espaço: o Internacional Astronautical Congress. Este ano realiza-se em Toronto (Canadá) e terminará no próximo dia 3 de Outubro.

 

Este congresso reune milhares de profissionais, estudantes, investigadores de todo o mundo relacionados com a área espacial. O tema de 2014 é: "Our world needs space" (O nosso mundo precisa do Espaço).

 

Podem ver a página do website do Congresso aqui  e aqui poderão seguir as novidades do Congresso.

 

Contudo, o inicio do Congresso ficou marcado pela ausência das agências espaciais da Rússia e China no painel "Heads of Agencies" que habitualmente reúne os directores das maiores agências espaciais.

 

O moderador do painel indicou que por problemas na obtenção de visto, não foi possível ao representante russo e chinês estarem presentes.

Gigantes japonesas apostam no espaço

Setembro 29, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

O Wall Street Journal relata que as empresas de technoclogia japenesas estao a colocar mais enfâse no espaço.

 

A NEC e Mitsubishi Electric são angariar vendas comerciais de satélites, enquanto Mitsibishi Heavy Industries está a tentar ganhar o negócio comercial para a H-2A e foguetes Epsilon. Estas empresas estão a ser incentivadas pelo governo japonês, tradicionalmente, de longe, o maior cliente da indústria espacial japonesa, para vender mais satélites e lançar ofertas para clientes estrangeiros. Um grande desafio tem sido os altos preços dos produtos espaciais japoneses contra os americanos, os europeus e outros concorrentes, embora as empresas japonesas estejam a tomar medidas para reduzir os seus custos.

 

Podem ler o artigo completo do Wall Street Journal aqui.

Estas mulheres ajudaram a Índia a chegar a Marte

Setembro 26, 2014

Vera Gomes

 

India-ISRO-Mars-Women

 

 

 

 

 

 

As caras do programa espacial da Índia têm sido sempre masculinas.

Os sete presidentes, incluindo o actual, da Organização de Pesquisa Espacial Indiana (ISRO) têm sido homens, e são tipicamente cientistas do sexo masculino que se fazem frente aos jornalistas nas conferências de imprensa que o ISRO realiza depois de lançamentos de satélites.

Mas há uma parte essencial composta por mulheres, que trabalham em vários sectores do programa espacial da Índia, que representam cerca de 20% da força de trabalho total da ISRO, que tem na totalidade 14.246 funcionários. Cerca de 10% do quadro total, ou 1.654, são mulheres engenheiras.

 

Embora menor do que outros programas - na NASA, por exemplo, cerca de 20% de todos os engenheiros são mulheres - as cientistas espaciais indianas ganharam notoriedade nos últimos anos.
(retirado daqui)

Missão indiana a Marte mais barata que o Gravity

Setembro 25, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

A missão a Marte da Índia foi mais barata do que o filme Gravidade: custou apenas 74.000 mil dólares americanos para enviar a nave Mangalyaan a Marte, enquanto para mostrar Sandra Bullock em órbita da Terra custou US$100 milhões .

 

O desenvolvimento marca uma vitória para a Índia sobre a China no que alguns têm chamado de corrida espacial asiática. Elogiando os cientistas ISRO, o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi disse que eles têm "o hábito de realizar o impossível."

 

Aqui ficam alguns factos sobre esta missão indiana:

 

74.000 mil dólares: é o montante a Índia gastou no seu programa de Marte. Modi descreveu na perfeição o projecto quando disse que pôr a Sandra Bullock em órbita custou mais do que fazer a missão indiana a Marte. A missão Maven, da NASA, reconhecidamente mais complexa, custou $ 671.000.000. O Mars Express Orbiter, missão da Agência Espacial Europeia, custou $386.000.000. A missão falhada a Marte do Japão custou 189.000 mil dólares.

 

324 dias: O tempo que a Índia levou para completar a sua missão a Marte. O programa foi lançado a 5 de Novembro de 2013 e após 10 meses, Mangalyaan foi finalmente colocada na órbita marciana a 24 de Setembro. A NASA demorou 308 dias para colocar a sua nave na órbita do planeta vermelho.

 

51 missões a Marte: É o número total de missões a Marte até agora empreendidas. Para além da Índia, apenas EUA, Rússia e Europa conseguiram colocar os seus satélites ao redor da órbita marciana.

 

1.200 milhões dólaresé o que a Índia gasta no seu programa espacial a cada ano.

 

18.092: Número de tweets que foram enviados numa hora com #Mangalyaan - actualmente tendênciano twitter na Índia. Ao longo dos últimos sete dias, um total de 57.007 tweets foram postados com esta hashtag.

 

 

Mais informações sobre esta missão indiana aqui, aqui e aqui.

Estação Espacial chinesa até 2023

Setembro 24, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

Um funcionário espacial chinês de topo disse que o país ainda tem planos para estabelecer sua primeira estação espacial no início da década de 2020, embora esse prazo tenha alterado um pouco em relaçao a anteriores anúncios.

 

Yang Liwei, vice-chefe do programa de voos espaciais tripulados da China, que, em 2003, se tornou a primeira pessoa da China no espaço, disse numa reunião da Associação de Exploradores Espaciais, em Pequim, no passado dia 10 de Setembro que a primeira estação espacial da China estaria pronta "em 2022". 

 

As autoridades chinesas disseram que há vários anos que planeiam estabelecer uma estação espacial permanente, originalmente programada para estar pronta em 2020. No ano passado, no Congresso Internacional de Astronáutica, em Beujing, porém, autoridades disseram que a estaçao espacial estaria pronta em 2023.

 

(retirado daqui)

Dono de um asteróide? Pois... se calhar não!

Setembro 23, 2014

Vera Gomes

Asteroid mining concept

 

 

Charles Stotler é um advogado estudante de pós-graduação no Instituto McGill em Direito Espacial, escreveu um artigo para a Space Review que vale a pena ler. O artigo explora brevemente algumas das dificuldades, com foco nas obrigações internacionais que devem ser considerados na tentativa de elaborar uma lei que cria direitos de propriedade sobre os recursos do espaço exterior.

Dado o desejo de extrair recursos de asteróides, as partes interessadas da indústria espacial dos EUA procuraram garantias de que tudo o que é extraído pode ser processado e vendido como recursos terrestres. A fim de incentivar o investimento, essas empresas precisam saber que os recursos espaciais podem ser protegidos por direitos de propriedade.

A 10 de Julho de 2014, os congressistas Bill Posey (R-FL) e Derek Kilmer (D-WA) introduziram para discussao o Asteroids Act. A lei procura facilitar a exploração comercial e a utilização dos recursos de asteróides para atender às necessidades nacionais e para promover o direito das entidades comerciais americanas para explorar e utilizar os recursos de asteróides, de acordo com as obrigações internacionais existentes nos EUA.

A 9 de Setembro, o Comité da Câmara de Ciência, Espaço e Tecnologia, Subcomissão de Espaço, realizou uma audiência intitulada "Explorando nosso Sistema Solar: o Asteroids Act como um passo fundamental". A audiência abordou uma série de temas, muitos dos quais nao foram pertinentes para a discussao principal. Felizmente, Joanne Gabrynowicz, professora emérita e ex-editor-chefe da Universidade de Mississippi da Revista de Direito Espacial, ofereceram o testemunho sobre as dificuldades legais associadas com a elaboração de legislação para actividades espaciais privadas.
O artigo do Charles Stotler explora brevemente algumas dessas dificuldades, com foco nas obrigações internacionais que devem ser considerados na tentativa de elaborar uma lei que cria direitos de propriedade sobre os recursos do espaço exterior. Para ler o artigo, basta clicar aqui.
 

Programa espacial chinês pelo "Inimigo do Povo"

Setembro 22, 2014

Vera Gomes

 

 

 

Para quem conhecer ou saber algo mais sobre o programa espacial chinês, aconselho vivamente a verem a apresentação feita por Nick Eftimiades, que trabalhou durante 30 anos no Departamento de Defesa dos EUA na área de tecnologia espacial. Escreveu também um livro "Chinese Intelligence Operations" que lhe valeu a "distinção" pela China de "Inimigo do Povo".

 

Podem saber mais sobre o Nick e seguir o seu blog aqui.

 

Sugestão de leitura

Setembro 19, 2014

Vera Gomes

 

 

Esta semana deixo um livro que li há muitos anos atrás. Há dias tropecei num post sobre o livro e lembrei-me do quanto gostei de o ler. Nos dias que correm, está em casa dos meus pais, mas provavelmente será um livro a reler quando lá voltar.

 

Deixo-vos a sinopse que li sobre o livro, retirado do Naturfun

 

Nos nomes das constelações em que o céu está dividido abundam referências a seres reais ou míticos, mas também a grandes heróis e a mulheres belas e graciosas. De onde vieram esses nomes e os mitos que lhes estão associados?


Este livro procura responder a essas questões, mas tenta ir um pouco mais longe e buscar as origens desses mitos, muitas vezes bem mais remotas do que os clássicos gregos que lhes deram os nomes que ainda persistem.


Mitos no Céu será decerto útil a muitos, tanto aos amantes do céu como às pessoas simplesmente interessadas em conhecer as fabulosas lendas que ilustram a esfera celeste desde há milénios. Será também útil aos divulgadores da astronomia, por lhes oferecer um vasto repertório de histórias celestes. Acima de tudo é uma viagem aos espíritos dos nossos antepassados e uma colectânea das melhores narrativas alguma vez criadas pela fantasia humana.

 

Sobre o autor:
ANTÓNIO MAGALHÃES nasceu no Porto em 1951. Licenciado em Medicina desde 1974, é actualmente chefe do Serviço de Oftalmologia do Centro Clínico da Guarda Nacional Republicana em Lisboa.
Entusiasta da astronomia desde jovem, faz parte da Associação Portuguesa de Astrónomos Amadores e é director da revista trimestral editada por essa associação.


Colaborador regular do Diário de Notícias e da revista do Automóvel Clube Médico Português para a área da astronomia, tem participado em colóquios, palestras e sessões de divulgação por todo o país assim como em Angola. Foi um dos autores do livro Eclipses editado pela Gradiva em 1999. Tem sido responsável pela tradução e revisão científica de várias obras de divulgação, tanto de Medicina como de Astronomia, publicadas em Portugal.  

 

Conferência imprensa NASA sobre a escolha de empresas americanas para voos tripulados

Setembro 17, 2014

Vera Gomes

 

http://blogs.nasa.gov/commercialcrew/wp-content/uploads/sites/230/2014/09/CCPPartnerCCtCap_11x17-4-SpaceX_508.jpg

 

 

 

 

 

 

 

NASA vai fazer um grande anúncio hoje, às 16:00 EDT (21h em Lisboa) em relação ao retorno de lançamentos de voos tripulados nos Estados Unidos. A agência fará o anúncio durante umaconferência de imprensa no Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida.
O evento será transmitido ao vivo pela NASA Television e no site daagência.
Podem ler mais sobre este anúncio e tópico aqui e aqui e aqui

 

NASA escolhe empresas americanas para transportar astronautas americanos para a Estação Espacial Internacional

Setembro 17, 2014

Vera Gomes

 

http://www.nasa.gov/sites/default/files/launch-02_4.png

 

Segundo um comunicado da nasa, os astronautas americanos serão mais uma vez transportados de e para a Estação Espacial Internacional  numa nave espacial americana, ao abrigo dos contratos anunciados na passada terça-feira.

 

A agência revelou a sua seleção da Boeing e da SpaceX para transportar as tripulações americanas de e para a estação espacial usando o CST-100 and  a nave espacial Dragon Crew, respectivamente, com o objectivo de acabar com a dependência do país em relação à Rússia em 2017.

 

A agência espacial norte-americana vai gastar 6.400 milhões dólares nos dois contratos para substituir os vai e vém espaciais e de transporte de  astronautas para a Estação Espacial Internacional.  A gigante americana Boeing vai ganhar US $ 4,2 bilhões e SpaceX do empresário Elon Musk receberá US $ 2,6 bilhões para desenvolver as suas respectivas naves espaciais. A Boeing é considerada "a opção menos arriscada" (paywall), mas o sistema da SpaceX é mais barato e não depende de peças russas importadas.

 

Podem ler o comunicado na íntegra aqui.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow