Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Portugal Space Day 2015

Outubro 28, 2015

Vera Gomes

 

Como sabem, Bruxelas, é um pólo político bastante forte onde são tomadas muitas decisões que influenciam toda os Europeus. O Espaço não é excepção. Desde o Tratado de Lisboa em 2007, que a União Europeia passou a ter um papel activo na política espacial europeia.

 

No próximo dia 11 de Novembro, em Bruxelas, a AICEP, a FCT e a ANI, em colaboração com a Enterprise Europe Network, organizam o Portugal Space Day 2015.


Esta é uma excelente oportunidade para promover os principais atores do sector do espaço em Portugal e estimular o networking entre parceiros nacionais e internacionais para gerar candidaturas ao Horizonte 2020, o programa europeu para financiamento na área de investigação (incluindo Espaço).


Aqui podem ver o Programa e formulário de inscrição.

Uma cidade na Lua?

Outubro 26, 2015

Vera Gomes

 (Imagem meramente ilustrativa)

 

O Director do Gabinete de Espaço Comercial da Administração Federal de Aviação (FAA), George Nield, endossou o conceito de Aldeia Lunar (Lunarcity) defendida pelo Director Geral Johann-Dietrich Woerner da Agência Espacial Europeia (ESA), mas pediu a inclusão do sector comercial, e não apenas dos governos, na construção e operação.

Nield falou na reunião de 21 de Outubro Do Comité Consultivo Transporte Espacial Comercial (COMSTAC), que aconselha o seu gabinete. Observando que ele tinha acabado de voltar do Congresso Internacional de Astronáutica (IAC), em Jerusalém, Nield resumiu rapidamente um painel de discussão entre os chefes de uma série de agências espaciais representadas no IAC. Woerner era um deles.


Woerner tem vindo a defender a construção de uma aldeia - Lunarville - no lado mais distante da Lua, onde telescópios colocados lá estariam protegido da luz e do barulho da Terra. O conceito prevê o uso de módulos infláveis ​​e impressão 3D para construir infra-estrutura adicional, utilizando recursos lunares - chamado utilização de recursos in situ (ISRU). Culturas seriam cultivadas em estufas para apoiar pesquisadores rotativos em intervalos regulares.

A ideia não é nova, mas ter um alto dirigente da ESA à frente da ideia é. Woerner vê esta ideia como um sucessor para a Estação Espacial Internacional (ISS) e, tal como a ISS, construída como um esforço colaborativo internacional.

O Presidente Obama decidiu em 2010 que os Estados Unidos não iriam enviar novamente astronautas à superfície lunar. Em vez disso, dirigiu a NASA para enviá-los a um asteróide como um passo para eventuais missões humanas a Marte. A NASA desenvolveu uma abordagem passo a passo onde a sonda americana irá operar perto da Lua (em "espaço cis-lunares"), mas não descer para a superfície lunar. No entanto, os oficiais da NASA estão a incentivar fortemente outros países a prosseguir as operações de superfície lunar, especialmente ISRU, que poderiam ter vantagens para alcançar a meta seres humanos em Marte. Os Estados Unidos poderiam ser parceiros  destes outros países, fornecendo transporte para órbita lunar com o Sistema de Lançamento Espacial, por exemplo.

Nield disse que estava "particularmente impressionado" com a visão de Woerner, uma vez que permite que os países participem na proporção que quiserem e minimiza a necessidade de estrutura de gestão top-down. No entanto, deixa uma "modesta sugestão" - abri-lo a entidades comerciais.

Chamando oportunidades comerciais "sem limites", ele ofereceu exemplos que vão desde habitats e hotéis para centrais elétricas comerciais (usando painéis solares), a depósitos para propelente, à produção de alimentos, até a sistemas de transporte para se locomover na superfície lunar - brincando que é muito cedo para dizer se este será Yellow Cab ou Uber. "A indústria privada tem o potencial de desempenhar um papel importante e não precisa ser exclusivamente como um contratado do governo", disse Nield entusiasmado.


No final, os membros do COMSTAC debateram se eles devem emitir uma opinião, observação ou recomendação sobre o papel potencial do sector comercial numa aldeia lunar pedindo à FAA para discutir com a ESA uma troca ede ideias. O Comité decidiu pedir  ao grupo de trabalho de Política Espacial Internaciona do COMSTAC para elaborar um relatório para discussão futura.

 

(Fonte: Space Policy)

O que vos faz lembrar?

Outubro 26, 2015

Vera Gomes

22168987898_69b8b97261_z.jpg

A mim faz-me lembrar um olho. Mas é na realidade uma foto de satélite do pico mais alto de África, tirada pelo minisatélite Proba-V da ESA.

 

Esta imagem de cores falsas de camara do Proba-V tirada a 14 Junho de 2015 mostra Kilimanjaro envolto por nuvens para o sul e norte. A diminuição gradual da vegetação com a altitude pode ser visto pela mudança de cores de verde para castanho e, finalmente, azul, representando o topo da colina.
 
Lançado em 7 de Maio de 2013, o Proba-V é um mini satélite da ESA  encarregado de uma missão de grande escala: mapear a cobertura da terra e crescimento da vegetação ao longo de todo o planeta a cada dois dias.

Querem saber como a próxima capsula espacial chinesa é?

Outubro 23, 2015

Vera Gomes

Enquanto a cápsula espacial Shenzhou tem servido o programa espacial tripulado chinês bem para quase 16 anos de utilizaçao (desde o vôo de teste não tripulado em 1999), a Administração Espacial Nacional da China (CNSA) está à procura de um substituto. Em Outubro de 2015, um blogue chinês apresentou um estudo patrocinado pela CNSA com detalhes para uma nave espacial Shenzhou.

Voando em futuros foguetes chineses como os Long March 5, 7 e 9, o estudo propõe 2-6 pessoas por cápsula tripulada. A embarcação semi-cónica para reentrada seria anexada às secções de propulsão e de carga para os módulos de serviço, numa configuração semelhante à cápsula Orion da NASA. Para missões no espaço profundo para asteróides próximos da Terra e da Lua, a próxima geração de naves espaciais terá um módulo de serviço maior, para uma massa total de 20 toneladas. tendo em conta os avanços da China em ciência dos materiais para reforçar o escudo térmico contra o aquecimento reentrada, espera-se que a cápsula da tripulação possa ser reutilizada.

 

Podem saber mais aqui.

Rússia e Europa trabalham em conjunto para chegar à Lua

Outubro 23, 2015

Vera Gomes

A Rússia quer realmente ir à Lua. A Roscosmos, a agência espacial do país, deixou claro que a sua prioridade é explorar a Lua - e não Marte -  com o objectivo final de estabelecer uma base permanente lá. Agora, a Rússia está à procura de parceiros internacionais para ajudar, e a Europa está pronta para responder ao apelo.


A Roscosmos está actualmente a planear a missão Luna 27, uma missão não tripulada para o pólo sul da Lua que irá procurarpor recursos e avaliar se é possível construir uma colónia. De acordo com o correspondente da BBC News e os meios de comunicação estatais russos Russia Today, a Agência Espacial Europeia (ESA) irá fornecer dois componentes-chave para a Luna 27: um avançado sistema de guiamento a laser para desembarque, chamado Piloto, e um laboratório a bordo para analisar as amostras recolhidas pela sonda.

"Actualmente discussões a nível internacional estão em curso para uma ampla cooperação sobre a forma de voltar à Lua", Bérengère Houdou, o chefe do grupo de exploração Lunar da ESA, disse à BBC News. A ESA não respondeu a um email a pedir mais informações sobre o seu envolvimento no projecto. A agência deverá aprovar oficialmente a sua participação na missão no próximo ano, e a sonda poderia ser lançada tão cedo quanto 2020.
 
Podem ler mais sobre o assunto aqui.

Como as eleições podem mudar a política espacial canadiana

Outubro 22, 2015

Vera Gomes

 A vitória arrasadora para o Partido Liberal no Canadá poderá dar início a mudanças na política espacial. Os liberais ganharam uma maioria no Parlamento nas eleições da passada segunda-feira, tornando Justin Trudeau o próximo primeiro-ministro do país.

 
Durante a campanha, o partido apoiou o desenvolvimento de um plano de espaço de longo prazo que tinha sido proposto antes das eleições por um comité, mas nunca implementado pelo governo conservador.
 
O ex-astronauta canadiano Marc Garneau, membro liberal do Parlamento, foi reeleito para o seu lugar pela área de Montreal, e pode estar na linha para uma posição de gabinete do novo governo.
 
Podem ler mais sobre as eleições e a influência na política espacial canadiana aquiaqui e aqui.

Uma foto por dia, não sabe o bem que lhe fazia!

Outubro 22, 2015

Vera Gomes

 

Os temas relacionados com o espaço, planetas, galáxias, sistema solar e todo o Universo são sempre temas do interesse das pessoas no geral.

 

As empresas espaciais têm tido uma atitude bastante proactiva em cativar mais curiosos e mostrar, mais de perto e de forma mais acessível, o que há para além daquilo que vemos.

 

Desta forma, a NASA lançou um site onde irá publicar uma nova fotografia do planeta Terra todos os dias.

 

O novo site da NASA (National Aeronautics and Space Administration), tem como objectivo publicar uma fotografia nova do nosso planeta todos os dias.

Todas estas imagens, de alta resolução, são captadas pelo satélite de observação Deep Space Climate Observatory (DSCOVR) que foi lançado em Fevereiro deste ano e conta com uma câmara de super alta-resolução designada Earth Polychromatic Imaging Camera (EPIC) para captar as fantásticas fotos.

 

A primeira fotografia do satélite foi captada em Julho, sendo as suas fotografias as mais completas do nosso planeta, desde há 43 anos, altura em que foi captada a primeira imagem da Terra, em 1972, pela tripulação da missão Apollo 17, a cerca de 45.000 quilómetros do nosso planeta, quando iam a caminho da Lua, à qual designaram The Blue Marble (em Português o Berlinde Azul), e que podem ver na imagem seguinte:

 

The Blue Marble

 

O site permite ver as imagens, assim como ampliar as zonas que desejem ver em mais pormenor. É ainda dada a indicação das distâncias entre o satélite DSCOVR, a Lua e a Terra.

 

Podem ler o comunidado à imprensa da NASA aqui. E aceder ao site para as fotos aqui.

 

(Texto retirado daqui)

Queres mandar o teu desenho para o Espaço?

Outubro 21, 2015

Vera Gomes

 

A Agência Espacial Europeia (ESA) e os seus parceiros da missão CHEOPS convidam até 3000 crianças, com idades entre os 8 e os 14 anos e de qualquer estado membro ou cooperante, a fazer parte de uma aventura do outro mundo, ao criar um desenho inspirado nesta missão.

Os desenhos têm de ser feitos apenas a preto (a lápis ou caneta de feltro preta), pois serão encolhidos e gravados nas placas de metal que servirão de revestimento deste telescópio espacial, programado para ser lançado para o espaço no final de 2017.

Os desenhos serão aceites até 31 de outubro de 2015 e o selo dos correios será considerada a prova da data de envio.

Esta competição é coordenada pela Universidade de Berna (Suíça), em colaboração com as instituições parceiras da missão, nos países que pertencem ao consórcio CHEOPS (Portugal, Áustria, Bélgica, Hungria, França, Alemanha, Itália, Espanha, Suécia, Suíça e o Reino Unido).

 

Em Portugal o desenvolvimento da missão CHEOPS conta com a participação de investigadores do Instituto de Astrofisica e Ciências do Espaço (IA) e da empresa nacional Deimos Engenharia.

 

Como participar?

Para participar nesta competição, acede à página portuguesa da competição em www.iastro.pt/desafioCHEOPS, descarrega a folha A4 e cria um único desenho (apenas a traço preto). Depois completa com os teus dados (nome, morada, país, data de nascimento) e com a assinatura do teu encarregado de educação.
Finalmente, envia via postal para:
Desafio CHEOPS
Planetário do Porto – Centro Ciência Viva
Rua das Estrelas
4150-762 Porto, Portugal
——
Esclarecimentos:
Filipe Pires <filipe.pires@astro.up.pt>
T. +351 226 089 835
——
Para terminar, partilha com os teus amigos e nas redes sociais utilizando o hashtag: #desafioCHEOPS.

 

Mais informação e regras do desafio CHEOPS no website da ESA.

Como saber mais sem gastar um tostão

Outubro 20, 2015

Vera Gomes

Existem vários cursos gratuitos que se podem seguir online, alguns disponibilizados por Universidades inglesas.

Aqui ficam dois cursos que irão começar entre esta semana e a próxima.

 

- Moons: explora as muitas Luas do Sistema Solar. Descobre o que faz delas especiais. Será que devemos mandar Humanos à nossa Lua novamente?

 

- Gravity! From the Big Bang to Black Holes: este curso online explica o porque é que a gravidade é tão importante no nosso Universo, focando em aspectos chave desde o Big Bang aos buracos negros.

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow