Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Movimento Internacional Lusofono propõe criação de Agência Lusófona do Espaço

Depois da Universidade do Minho (UM) ter proposto no inicio do mês a criação da Agência Espacial Luso-Brasileira, é agora a vez do Movimento Internacional Lusofono (MIL) propôr a criação de uma agência espacial que agregue os países lusófonos. Ou seja, o responsável do MIL defende que a singeria proposta pela UM deveria ser extendida também aos PALOP.

 

Na minha opinião, este tipo de sinergia é positivo pelas oportunidades e intercâmbio de conhecimento que permite. Contudo, já existe em Portugal a Associação de Indústrias do Espaço (Proespaço), assim como o Space Office sob tutela da Fundação de Ciência e Tecnolgia (FCT) que supostamente deveriam assumir este tipo de dinamização.

 

Este tipo de proposta ao partir de outro tipo de entidade civil e/ou académica, revela insuficiência de sinergias nacionais na promoção eficaz do espaço em Portugal, na partilha de conhecimento e talvez demonstre a ineficiência das entidades oficiais existentes em conseguir responder às necessidades de empresas e mundo académico.

 

 

---------

Following the Universidade do Minho (UM) proposal of a Brazilian-Portuguese Space agency early in the month, more recently the Movimento Internacional Lusofono (MIL) has backed the same strategy although on a broader level. In fact, one of the MIL spokesperson holds the view that the idea should be open to countries part of the PALOP organisation.
 
In my opinion, these synergies are positives not only for the likely opportunities but also for the knowledge exchange among partners. Nevertheless, there are already some Portuguese institutions devoted to the Space Sector, the Associação de Industrias do Espaço (PROESPAÇO) and the Space Office, within the Fundação da Ciência e Tecnologia (FCT) body, that supposedly should have a stronger role in the sector dynamics.
 

The appearance of this suggestions on the public domain depicts a fairly inactive space sector in Portugal. Amid a rather inappropriate view by the official entities in managing the needs of companies and research institutions, the Portuguese Space Sector clearly suffers by cooperation deficit and poor promotions actions of a sector poised to become critical in a growing economy.

3 comentários

Comentar post