Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Aspirador espacial

 

A problemática do lixo espacial que tem colocado em perigo satélites, foguetões e até a ISS continua a fazer correr muita tinta. A Agência espacial suiça planeia por isso, lançar nos próximos anos un satélite que irá limpar o lixo no espaço. O projecto é um primeiro esforço para combater de uma forma activa um problema recorrente.

 
O satélite chama-se Clean Space One, e está a ser construído pelo instituto federal para a tecnologia de Lausanne. O projecto vai custar sete milhões de francos suíços (5,6 milhões de euros), e o aparelho será lançado entre 2015 e 2017, consoante os apoios da indústria.

“As agências espaciais estão a sentir cada vez mais a necessidade de ter em consideração e a preparem-se para a eliminação do material que estão a lançar para o espaço. Queremos ser pioneiros nesta área”, disse Volker Gass, director do centro espacial suíço, num comunicado.
Para terem uma ideia deste problema, todos os anos 500 toneladas de material são lançadas para as órbitas da Terra. Apesar de haver uma consciência cada vez maior do perigo latente de tantos objectos a viajarem a velocidades enormes, e as agências obrigarem-se a construir satélites que no fim da vida se direccionam ou para a Terra, para entrar em rota de colisão rapidamente, ou para órbitas mais distantes, há milhares de objectos que vão continuar no espaço durante milénios.

Dos 28.000 objectos enviados para o espaço desde o início da era espacial, 19.000 já caíram na Terra, o resto continua em órbita e equivale a 6300 toneladas de lixo. São satélites que não funcionam, material necessário para o lançamento de naves, detritos e químicos. A NASA segue o trajecto de 16.000 detritos maiores de dez centímetros de diâmetro, mas existem mais de 500.000 que têm entre dez e um centímetro que não são seguidos e milhões que são menores do que um centímetro.

O choque de um objecto de alumínio com dez centímetros que atinge um aparelho tem uma força explosiva equivalente a sete quilos de TNT. O suficiente para destruir um satélite ou dar cabo da Estação Espacial Internacional, que já teve de se desviar mais do que uma vez de lixo espacial.

Por uma questão de probabilidades e com tanto lixo espacial, mais cedo ou mais tarde, dois objectos em órbita acabam por chocar. Foi o que aconteceu em 2009 quando ocorreu a colisão entre o Iridium-33, um satélite de comunicações dos EUA activo, e o Kosmos-2251, um aparelho russo inactivo. O choque destruiu os dois aparelhos e provocou 2100 novos fragmentos que se espalharam ao longo de uma altitude entre os 600 e 1300 quilómetros, e provocou uma multiplicação das probabilidades de choques.

“Tornou-se vital estar consciente da existência deste lixo e os riscos que estão associados à sua proliferação”, disse Claude Nicollier, em comunicado, astronauta e professor do instituto.

Embora o Clean Space One só vá retirar um aparelho de órbita, o objectivo é criar um sistema barato e prático de kits satélites que possam ser comprados por outros. “Queremos oferecer e vender toda uma família de sistemas prontos a montar, desenhados da forma mais sustentável possível, capazes de tirar de órbita diferentes tipos de satélites”, disse Gass.

O projecto arrancou há alguns anos, mais ainda há três desafios técnicos que os cientistas têm de ultrapassar para o satélite cumprir o seu objectivo. Primeiro, o Clean Space One terá de, a uma velocidade de 30 mil quilómetros por hora, agarrar outro aparelho. A equipa está a pensar em utilizar uma espécie de tentáculos metálicos inspirados nas medusas. Depois, o satélite terá de ter um método para contrabalançar o novo peso dos dois aparelhos àquela velocidade e não se descontrolar. Finalmente, o último desafio, é forçar a órbita de colisão.
 
(in Publico)