Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Como saber t-u-d-i-n-h-o sobre o programa espacial brasileiro?

 

"PEB - Programa Espacial Brasileiro: militares, cientistas e a questão da soberania nacional", de Ana Lúcia Amaral Villas-Boas, é um livro discute um dos grandes projetos tecnológicos do Brasil: o Programa Espacial. Tem o intuito de verificar em que medida o Brasil, enquanto País em desenvolvimento e inserido no processo de globalização económica, tem a possibilidade de constituir um projecto nacional de desenvolvimento relativamente soberano e sustentável, mediante a sua capacidade tecnológica em áreas de ponta, como as tecnologias espaciais. Para isso, discute-se o processo de institucionalização da ciência no Brasil e a implantação de um moderno sistema de Ciência e Tecnologia através de uma aliança entre cientistas e militares, culminando com a criação do CNPq em 1951.

 

O livro faz ainda uma resenha da história política e os projetos nacionais de desenvolvimento de que foi alvo o país, formulados pelos grupos sociais mais representativos da sociedade na época estudada, recuperando uma discussão que, estendendo-se por décadas, reservou à questão científica um lugar privilegiado no planeamento do Estado. O período da ditadura militar é especialmente contemplado, considerando-se ter sido esta a fase em que realmente o Programa Espacial Brasileiro sofreu maiores investimentos. conferindo aos militares um papel de destaque no quadro de actores sociais colectivos empenhados no projeto de desenvolvimento do País, destacando as diversas correntes ideológicas em acção dentro das Forças Armadas.

 

Por fim, analisa-se o lugar das tecnologias espaciais no contexto do processo de globalização. No âmbito desse processo, que ganha ímpeto a partir dos anos 1980, a questão da capacidade científico-tecnológica adquire um novo significado como variável estratégica em todos os níveis das relações internacionais. Defende-se que, nesse contexto, as tecnologias espaciais podem desempenhar um novo papel, vindo a ser usadas para finalidades pacíficas voltadas para a formulação de um projecto nacional que conjugue soberania relativa e sustentabilidade do desenvolvimento económico.

 

À venda aqui.