Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Da série: O que é nacional é bom!

Bruno Ramos de Carvalho, presidente da Active Aerogels, crédito foto: Enric Vives-Rubio

 

Um dos projectos finalistas do concurso de ideias lançado pela companhia de aviação este ano despertou o interesse da fabricante europeia. A partir de Coimbra, a Active Aerogels já se prepara para novos voos.

 

Como qualquer boa ideia, o projecto do aerogel que chegou ao lote de finalistas do concurso lançado este ano pela TAP pretendia resolver um problema: acabar com o desgaste causado pelo material que reveste os aviões - uma fibra de vidro que vai absorvendo a água, danificando tectos, paredes, material electrónico, e que acaba por encarecer a manutenção. Depois do sucesso obtido nos testes com a transportadora aérea portuguesa, a equipa da Active Aerogels que desenvolveu a ideia a partir de Coimbra está neste momento em negociações com a Airbus para introduzir o aerogel nas linhas de produção da fabricante europeia.

 

Quando a empresa começou a desenvolver este material, ainda em 2006 e em parceria com a Universidade de Coimbra, o objectivo era aplicá-lo apenas à indústria espacial. Naquela altura, o projecto foi apadrinhado pela Agência Europeia para a Segurança da Aviação e, seis anos mais tarde, nascia o primeiro produto certificado, dando à Europa uma independência tecnológica que não tinha até aí, já que este isolante térmico só era produzido nos Estados Unidos. Desde então, a Active Aerogels ganhou terreno neste apetecível mercado, mas também foi alargando horizontes, quando a equipa percebeu que o aerogel tinha outros destinos, fossem eles aceleradores de partículas de centrais nucleares, equipamentos de ressonância magnética ou até oleodutos.

 

Falta-lhes capacidade produtiva, já que tudo o que hoje fabricam é imediatamente vendido: uma média de 500 metros quadrados em painel de aerogel (que também pode ser vendido noutras modalidades, como o pó ou a espuma), que lhes garantem encomendas na ordem dos 200 mil euros por ano, a partir de uma unidade fabril onde investiram 100 mil euros, embora o projecto tenha implicado um custo total de 1,6 milhões, em parte suportados por fundos comunitários. Apesar das limitações ao nível da produção, decidiram lançar-se noutros voos, quando a TAP lançou um concurso de ideias para celebrar o 70º aniversário da companhia, que comemora este ano.

 

"Já tínhamos equacionado esta hipótese antes, mas não sabíamos que tipo de aceitação teria por parte da indústria", explica o presidente da empresa Bruno Ramos de Carvalho. Foi a interacção com a transportadora aérea portuguesa que lhes deu a certeza que esta era uma rota de que não poderiam desviar-se. Os testes feitos ao longo de dois meses permitiram concluir que, embora seja mais pesado, o aerogel torna-se mais económico e eficiente ao longo do tempo, dispensando manutenções em série e até evitando problemas mais graves a bordo dos aviões.

 

"A fibra de vidro que hoje é usada absorve a água, que em vez de escorrer vai danificando o isolamento térmico à volta do avião e acaba por desgastar as paredes, os tectos, as casas-de-banho, o material electrónico", exemplifica o gestor. Já o aerogel "obriga a que a água escorra para os drenos, evitando os riscos de curtos circuitos, por exemplo", garante Bruno Ramos de Carvalho. "Aprendemos com a TAP em apenas dois meses que temos como resolver estes problemas", conta, estimando que a aplicação do aerogel signifique poupanças "entre 1,5 a 2 milhões de euros" ao longo da vida dos aviões. Uma parte significativa desta redução de custos será conseguida só pelo facto de os equipamentos deixarem de estar parados em terra em manutenção, sem gerarem receitas para as companhias.

 

O projecto da Active Aerogels acabou por ser reconhecido pela TAP, que o colocou no lote de dez finalistas. E embora a equipa de Coimbra não tenha levado o galardão para casa, já que este foi conquistado, no início de Junho pelo Waynabox (um site que vende experiências de viagens), já garantiu o interesse da indústria, nomeadamente da Airbus. A fabricante europeia pretende colocar a empresa nacional "em contacto com os [seus] especialistas na área de isolamento e materiais como um primeiro passo para avaliar a validade dos cenários e vantagens" para a aviação, referiu a Airbus, salvaguardando que "o valor de qualquer boa ideia depende sempre da capacidade de dar resposta às necessidades da indústria e da rapidez com que consegue atingir a escala industrial".

 

A fabricante europeia, que trabalha com algumas das maiores transportadoras aéreas do mundo, explica que "a introdução de qualquer material novo implica um longo processo que requer uma avaliação muito cuidadosa e profunda". Mas está empenhada em dar ao projecto do aerogel "a possibilidade de atrair o interesse dos seus especialistas e de eventualmente organizar um 'mergulho' mais profundo na ideia" da equipa de Coimbra. Para Bruno Ramos de Carvalho, a meta agora é conseguir "um acordo de exclusividade com a Airbus", de modo a que o material que fabricam "fosse integrado nas suas linhas de produção", até porque o salto para este mercado vai obrigar a um reforço importante do investimento.

 

O presidente da Active Aerogels calcula que, só em termos de certificação para a aeronáutica (processo que demorará cerca de dois anos), o custo ronde meio milhão de euros. Além disso, a fábrica terá obrigatoriamente de crescer para dar resposta às encomendas, estimando-se que esse passo os obrigue a investir mais três milhões. O objectivo seria alcançar, no mínimo, uma produção anual de meio milhão de metros quadrados de painel de aerogel. 

 

(retirado daqui)