Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Mulheres no Espaço - Kalpana Chawla

 

Kalpana Chawla nasceu a 1 de Julho de 1961 em Karnal, Punjabe e faleceu no espaço aéreo dos EUA a 1 de fevereiro de 2003). Foi uma astronauta norte-americana nascida na Índia, membro da tripulação da nave Columbia que se desintegrou na reentrada na atmosfera no fim da missão STS-107, em Fevereiro de 2003, matando todos os tripulantes.

 

Kalpana desde criança que se interessou pela aviação na Índia, sobretudo pelas façanhas de JRD Tata, um pioneiro piloto indiano. Estudou engenharia aeronáutica e formou-se como bacharel em ciências no Colégio de Engenharia do Punjab, em 1982. Mudou-se então para os Estados Unidos, onde aprimorou seus estudos e conseguiu o doutoramento em ciências de engenharia aeroespacial nas Universidades do Texas e do Colorado. Quando começou a trabalhar com a NASA naturalizou-se norte-americana (1990).

 

Kalpana entrou para o corpo de astronautas da NASA em 1995 e dois anos depois fez seu primeiro vôo espacial a bordo da nave Columbia, tornando-se a primeira mulher nascida na Índia e a segunda pessoa de origem indiana no espaço, após o vôo do cosmonauta Rakesh Sharma treze anos antes, na missão russa Soyuz T-11. A diferença era que Sharma era indiano e Kalpana Chawla fez seu vôo como cidadã norte-americana e apesar de seus interesses em comum, os dois nunca se encontraram pessoalmente.

 

Após seu vôo inaugural, participou de actividades técnicas na NASA ligadas ao estudo da microgravidade até ser escolhida para a tripulação da fatídica missão STS-107 do vai e vém espacial Columbia em Janeiro de 2003.

 

Apesar de naturalizada norte-americana nunca deixou de lado suas raízes indianas e sempre foi considerada pelo povo do país como um dos seus. Morreu como heroína e modelo de milhares de adolescentes indianas, especialmente em sua cidade natal de Karpal, onde a sua vida inspirou as jovens a seguirem os seus passos.

 

O irmão, Sanjay Chawla, fez a seguinte declaração: "Para mim, minha irmã não morreu. Ela é imortal. Não são imortais as estrelas? Ela é uma estrela permanente no céu, o lugar a que ela pertence".

Algumas homenagens póstumas a Kalpana
  • Quatro dias após a tragédia da Columbia, o primeiro-ministro da Índia anunciou que a primeira série de satélites meteorológicos lançados ao espaço pelo país passariam a se chamar Kalpana.
  • O asteróide 51826 foi batizado com seu nome.
  • A Rua 74 no Queens, Nova York, na região conhecida como "Little India", foi rebatizada com seu nome.
  • A banda de rock Deep Purple fez a música Contact Lost em homenagem à tripulação da Columbia, principalmente pelo facto de Kalpana se ter declarado grande fã da banda.
  • A Universidade do Texas, onde Chawla fez um dos seus doutoramentos em 1984, baptizou uma ala como Kalpana Chawla Hall.
  • O novo supercomputador da NASA chama-se Kalpana.
  • Editoras indianas lançaram no país revistas de banda desenhada com a história da vida dela.