Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Mulheres no Espaço - Sally Ride

 

 

 

 

 

 

Sally Kristen Ride nasceu em Los Angeles, 26 de Maio de 1951 e faleceu em La Jollaa  23 de Julho de 2012. Foi uma astronauta dos Estados Unidos e a primeira mulher norte-americana a ir ao espaço, após as soviéticas Valentina Tereshkova (1963) e Svetlana Savitskaya (1982).

 

Formada em Física e Inglês pela Universidade de Stanford, Ride foi uma das 8 mil mulheres que responderam a um anúncio da NASA, para seleccionar o primeiro grupo de astronautas femininas do programa espacial norte-americano, em 1978. Seleccionada, com mais cinco mulheres - Anna Fisher, Judith Resnik, Kathryn Sullivan, Shannon Lucid e Rhea Seddon -, Ride completou o curso de qualificação em 1979.

 

A 18 de Junho de 1983, Ride entrou para a história como a primeira americana a subir ao espaço, como parte da tripulação do vai e vem Challenger, na missão STS-7, que colocou em órbita dois satélites de comunicação, realizou experiências farmacêuticas e foram os primeiros tanto a colocar um satélite em órbita no espaço, como em recolher um outro avariado para dentro do vai e vém.

 

No final do seu segundo vôo espacial no ano seguinte, a missão STS-41-G, também como tripulante da Challenger, Sally passou a acumular 343 horas de permanência no espaço. Ride treinava para uma terceira missão quando ocorreu o acidente que destruiu a Challenger, matou a sua colega de turma, a pioneira Judith Resnik e paralisou o programa espacial americano por quase três anos, o que a impediu de voar mais uma vez.

 

Em 1987, após ter se tornado uma líder e exemplo para todas as mulheres americanas que desejavam ser astronautas e ser uma das investigadoras oficiais das causas do acidente, Sally Ride deixou a NASA para trabalhar na Universidade de Stanford, leccionar física na Universidade da Califórnia e dirigir o Instituto Espacial da Califórnia.

 

Em 2003, foi convidada pela agência a fazer parte da equipa de investigação das causas da tragédia com o Columbia, tornando-se a única astronauta a participar nas duas investigações.

 

Sally morreu em 23 de Julho de 2012, por problemas associados a um cancro no pâncreas. Foi casada com o também astronauta Steven Hawley. De 1985 até seu falecimento, viveu com a Dra. Tam E. O'Shaughnessy, relacionamento revelado apenas no seu obtuário e confirmado pela sua irmã.