Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Portugueses são os que menos importância dão à exploração espacial

Os portugueses são os europeus que menos apoiam um reforço do investimento da União Europeia na exploração espacial, com apenas um terço a considerarem-no importante.

De acordo com o "Eurobarómetro" sobre "a atitude dos europeus relativamente a atividades espaciais", apenas 32% dos portugueses consideram importante que a UE invista mais na exploração espacial, o valor mais baixo entre os 28 Estados-membros, onde, em média, 47% dos cidadãos inquiridos consideram importante tal investimento.

 

A importância dada à exploração espacial varia entre os 67% na Bulgária e 65% na Finlândia (os valores mais elevados) e os 32% em Portugal e 35% em Malta e Espanha (os números mais baixos).

 

Mostrando-se invariavelmente dos europeus menos entusiasmados relativamente às vantagens que o setor espacial pode representar para a UE nos mais diversos setores, os portugueses são também dos que menos importância dão ao envolvimento da Europa na exploração de Marte nos próximos 20 anos, no quadro de uma missão internacional.

 

Questionados sobre se consideram importante que a Europa faça parte dessa missão internacional a Marte num horizonte de 20 anos, apenas 29% dos portugueses inquiridos responderam afirmativamente, o quarto valor mais baixo na UE, apenas à frente de Alemanha (19%), Suécia (23%) e Espanha (27%), e a par de Áustria e Lituânia, e seis pontos abaixo da média comunitária (35%).

 

Em resposta a uma questão de ordem mais geral, sobre quais devem ser as grandes prioridades da União Europeia num horizonte temporal de 20 anos, os portugueses apontam de forma maioritária o emprego, a prioridade apontada por 60% dos inquiridos, o que constitui o segundo valor mais elevado na UE, apenas atrás de Espanha (68%), onde a taxa de desemprego atual é das mais elevadas da Europa.

 

Divulgado no dia em que se celebra uma conferência sobre política espacial, em Bruxelas, este estudo foi realizado já entre maio e junho de 2013, tendo sido inquiridas em Portugal 1.007 pessoas, pela TNS Euroteste.

 

(in TSF)