Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Os americanos vão voltar a lua?

Dezembro 12, 2017

Vera Gomes

Segundo Trump... sim. 

 

O presidente Trump assinou ontem a directiva de política espacial nacional do seu governo, que envolve um regresso humano à Lua. O presidente assinou a "Space Policy Directive 1" numa cerimonia na Casa Branca.

A Casa Branca não revelou detalhes sobre a diretiva antes da assinatura, mas muitos na comunidade espacial acreditavam que poderia direcionar formalmente a NASA para voltar a enviar humanos à Lua. O tweet abaixo, publicado na conta oficial da Nasa, citando Donal Trump, não deixa margens para duvidas.

 

A NASA, na primeira reunião do Conselho Espacial Nacional em Outubro passado, foi solicitadaa para fornecer um relatório sobre os planos de exploração que incluiu Lua e Marte, e o Administrador interino da NASA, Robert Lightfoot, disse na semana passada que um "relatório preliminar" foi entregue ao Conselho.

 

trump.PNG

 

Módulo europeu com tecnologia portuguesa tenta hoje “aterrar” em Marte

Outubro 19, 2016

Vera Gomes

tek sonda exomars
Se tudo correr bem, o Schiaparelli chega hoje ao seu destino depois de cerca de três dias de viagem, desde que abandonou a sonda-mãe. A missão é aterrar em segurança e fazer algumas medições com a energia que lhe restar.

 

A sonda separou-se da componente principal no dia 16 de outubro, começando a descida em direção ao Planeta Vermelho, onde deve pousar esta quarta-feira, por volta das 15h48 (hora de Portugal Continental).

 

Um dos desafios enfrentados pelo Schiaparelli é precisamente o de "aterrar" são e salvo e continuar a funcionar para fazer o resto do trabalho a que está destinado: realizar algumas medições sobre a temperatura, a pressão e o vento. 

 

O tempo não será muito: segundo a ESA as baterias do módulo poderão durar entre dois a oito dias, na melhor das previsões. Quando a energia acabar, Schiaparelli “apaga-se” e a sua missão estará cumprida.

 

A ESA explica em seis minutos de vídeo a descida do módulo Schiaparelli até Marte. 

 

 

A sonda TGO e o seu módulo Schiaparelli fazem parte da ExoMars, uma missão conjunta entre a Agência Espacial Europeia (ESA) e a Agência Russa (Roscosmos) e partiu em março para descobrir mais segredos de Marte, com tecnologia portuguesa a bordo. O lançamento foi realizado através do foguetão russo Proton-M, que partiu de Baïkonur, no Cazaquistão.

 

Um dos objetivos da ExoMars é perceber a evolução do planeta vermelho, e a sonda TGO vai tentar detetar vestígios de gases que possam indicar a presença de vida no planeta, mas para 2020 e está prevista uma nova missão com um rover na superfície, capaz de realizar perfurações no solo.  

 

 

(retirado daqui)

Os planos de Musk para Marte

Setembro 28, 2016

Vera Gomes

FB_IMG_1475051504851.jpg

 

Uma das declarações de Musk de ontem mais partilhadas no Twitter

 

Ontem, Elon Musk da SpaceX partilhou com o mundo os seus planos para viajar até Marte. Numa apresentação feita no Congresso Internacional de Astronáutica 2016, que decorre no México até ao final desta semana, Musk partilhou com quem encheu a sala (e com o quem via no livestream) a arquitectura de missão a Marte, que inclui uma nave e motores massivos. Para terem uma ideia, fica a foto que Musk partilhou de um dos tanques de combustíveis que a SpaceX acabou de construir há dias. 

 

 

spacex-tank.jpg

 

Créditos imagem: SpaceX 

 

Os planos de Musk incluem tornar possíel as viagens de Humanos a Marte por volt de 2025, no que ele chamou de "Sistema de Transporte Interplanetário", e eventualmente levar cerca de 100 pessoas de cada vez. Este sistema de transporte incluirá um sistema reutilizável, o Raptor (42 motores), e com uma potência três vez e meia mais potente que o Saturn V (que foi a nave usada para as missões Apollo). 

 

spacex-bfr-launch-879x428.jpg

 Créditos imagem: SpaceX

 

Podem ver toda a apresentação de Elon Musk, incluindo a sessão de perguntas e respostas que se seguiu, no vídeo abaixo. 

 

 

Para um sucesso acontecer, muitos desaires ficaram para trás

Abril 11, 2016

Vera Gomes

index.png

Crédito: NASA

 

Para ilustrar os desafios do envio de uma missão robótica a Marte, Bill Gerstenmaier, administrador associado da NASA para a exploração e operações humanas, mostrou um gráfico da história de missões a Marte numa reunião do Conselho Consultivo da NASA na sede da NASA. O gráfico, disse ele, "mostra como as dificuldades em Marte realmente são, se se tiver em conta o número de falhas."

 

O gráfico fez parte de uma apresentação que Gerstenmaier deu sobre o plano da NASA para enviar seres humanos a Marte em 2030.

 

No gráfico, as missões a vermelho são as que falharam e a verde aquelas que foram bem sucedidas. 

Quer navegar em Marte? Já há mapa!

Fevereiro 16, 2016

Vera Gomes

tek mapa marte

 

A NASA continua a preparar a primeira missão com humanos ao Planeta Vermelho mas as imagens que têm vindo a ser recolhidas já foram usadas por uma agência britânica para fazer o primeiro mapa detalhado do terreno.

 

Não é que faltem fotos, vídeos e outros materiais multimédia sobre Marte, que têm sido profusamente partilhados pela agência espacial norte americana desde as primeiras missões da Curiosity no planeta, e que agora também chegam em 360º. Mas a agência britânica Ordnance Survey decidiu usar a informação que existe, e a sua tecnologia, para dar mais uma ajuda.

 

A aplicação de tecnologia de cartografia e de mapeamento foi usada para dar uma visualização que permite a qualquer pessoa ter uma ideia mais concreta sobre o terreno de Marte. E até planear uma visita quando as viagens de turismo espacial forem possíveis.

 

O mapa cobre uma área de 3672x2721 km da superfície de Marte e foi produzido numa escala de 1 para 4 milhões.

 

(retirado daqui)

Mars 2030

Fevereiro 09, 2016

Vera Gomes

 Uma aplicação de realidade virtual chamada "Mars 2030" irá utilizar imagens tiradas pelos rovers da NASA que se encontram em Marte para que possa oferecer uma experiència o mais autêntica possível aos utilizadores.

 

A Mars 2030 está a ser desenvolvida numa parceria entre NASA, Fusion Media, o Space Systemas laboratory do MIT e criadores de jogos que antes trabalharam na empresa Irratinal Games.

 

O lançamento desta aplicação está previsto para 2016, mas ainda não há uma data concreta.

 

Podem ler mais sobre esta aplicação aqui e aqui.

Quer ir a Marte?

Outubro 16, 2015

Vera Gomes

 

A NASA quer tornar Marte um planeta em que as pessoas possam viver e trabalhar. O objetivo final é tornar Marte um planeta independente da Terra, a partir da década de 2030

 

“Viagem a Marte” é o nome do relatório divulgado esta sexta-feira pela NASA, que dá a conhecer os próximos objetivos da agência espacial: ter humanos a viver e trabalhar em Marte até ao final da década de 2030.

 

A NASA planeia instalar colónias independentes da Terra, onde os humanos possam “trabalhar, aprender, operacionalizar e viver de forma sustentada” durante “extensos períodos de tempo”, anuncia a agência no relatório divulgado.

 

Se o plano da NASA se concretizar, Marte viverá três fases, que a agência denomina como “dependente da Terra”, “local de testes” e “independente da Terra”.

 

Para tal, a agência preocupa-se de momento com a criação de condições propícias aos humanos no planeta. Isto porque, atualmente, o tempo em que o homem pode viver no espaço é limitado, devido ao receio que a radiação cause doenças como o cancro, ou que os astronautas regressem com problemas como infertilidade, demência ou problemas ópticos, segundo explica o Telegraph.

 

As primeiras missões da NASA estão previstas para uma área do espaço à volta da Lua, e o seu sucesso ou insucesso ditará a expansão das missões para locais mais longínquos, como Marte.

 

Os planos da NASA ainda serão discutidos com membros do congresso americano, com o diretor comercial da agência e com os parceiros internacionais da NASA. Caso se materializem, podem ser mais um grande passo na história da humanidade.

 

(retirado daqui)

Quer ser um pirata espacial?

Outubro 14, 2015

Vera Gomes

Untitled.jpg

 

Imagine que está em Marte, um pouco à semelhança do que acontece no filme Perdido em Marte. Vive numa colónia criada no Planeta Vermelho e depara-se com questões tão básicas como: como eleger o líder da colónia? E caso queiram comprar uma parcela de terreno ou uma propriedade na colónia? E como será o processo de imigração: verificam passaportes à chegada?

 

A verdade é que apesar de ainda ninguém ter chegado a Marte (entenda-se ser Humano) e por lá ter assentado arraiais, existem leis que se aplicam mesmo no Planeta Vermelho. Para começar, o Tratado do Espaço Exterior é válido em Marte (Art. 1), portanto, aplica-se direito internacional

O espaço exterior, incluindo a Lua e outros corpos celestes, deverá ser livre para pesquisa e uso de todos os Estados, sem discriminação de qualquer tipo, numa base de igualdade e de acordo com o direito internacional, e haverá acesso livre a todas os corpos celestes.

Isto significa que nenhum Estado ou pessoa pode reivindicar qualquer coisa que não esteja na Terra:

 O espaço exterior, incluindo a Lua e outros corpos celestes, não estão sujeitos à apropriação nacional por reivindicação de soberania, por meio de uso ou ocupação, nem por quaisquer outros meios.

 

Só porque Neil Armstrong colocou a bandeira americana no solo lunar, isso não significa que os EUA possuem a Lua. E se alguém "aterrar" noutro planeta, não podem declarar-se seu governante supremo ou o proprietário de qualquer terreno. (Já escrevi sobre este ponto aqui).

 

A Lua, Marte, e todos os outros planetas estão sob a lei internacional. Na verdade, todo o universo além da Terra tecnicamente conta como águas internacionais.

Em "Perdido em Marte", Watney dá um grande (e hilariante) exemplo de como a lei internacional se aplicaria em Marte. Quando ele está dentro do habitat em Marte, que é propriedade da NASA, aplica-se a lei dos EUA. Mas assim que ele pisa o exterior da colónia e está em solo marciano, ele está em águas internacionais.

A certa altura, Watney precisa usar uma sonda da NASA chamado Ares 4. A NASA não deu expressamente permissão para ele subir a bordo, e de acordo com o Tratado do Espaço Exterior da ONU, não pode reivindicar qualquer coisa no espaço - então ele ao "comandar" Ares 4, torna-o tecnicamente num pirata sob o direito internacional. E não apenas qualquer pirata: "Depois de embarcar Ares 4, e antes de falar com a NASA, vou assumir o controle de uma embarcação em águas internacionais sem permissão", Watney diz no livro. "Isso torna-me num pirata! Um pirata do espaço!"

 

matt damon the martian

 

 

Isto significa que, caso a Humanidade decida montar uma colónia em marte, será necessário definir um quadro jurídico. Quem diz Marte, diz noutro planeta ou corpo celeste qualquer! Esrever novas leis é um processo dificil e complicado. Escrevê-las num planeta distante, como Marte, talvez seja ainda um bocadinho mais díficil! Quanta liberdade alguém pode esperar para ter num planeta sem ar respirável ou protecção contra a radiação? O cumprimento de determinadas regras pode significar a diferença entre a vida ou a morte.

 

Neste momento, um líder radical ou grupo poderia tomar o poder em Marte com relativa facilidade. Todos eles precisam fazer é controlar todo o oxigênio, recolher todos os recuperadores de água, ou roubar as chaves para todas as naves espaciais e manter todos refém. Os colonos teriam de abdicar da sua liberdade, se quisessem sobreviver.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow