Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Sugestão de leitura

Março 28, 2014

Vera Gomes

 http://born4space.files.wordpress.com/2014/03/leaving-earth-a-rader.jpg

 

 

Andrew Rader defende viajar a Marte, sem planos para o retorno no seu livro "Leaving Earth: Why One-Way to Mars Makes Sense". Ele defende a ideia de que uma missão só de ida a Marte é mais pertinente que uma com regresso. Ele analisa todos os aspectos de uma missão tripulada a Marte, bem como os componentes técnicos e gerenciais. O autor fornece exemplos da história e histórias pessoais, a fim de fornecer pontos de comparação que são facilmente relacionáveis. Isso torna o livro acessível a um grande público.

O livro destaca em profundidade os desafios para organizar a colonização mais distante já alcançada pela Humanidade. Ele também demonstra algumas justificações defendendo uma missão só de ida, a fim de ajudar os actores e espectadores do espaço a aceitar essa perspectiva.

Este livro é agradável de ler, com um estilo de escrita acessível para falantes não-nativos de inglês.

Este e-book está disponível na Amazon para compra na Kindle Edition.

 

(retirado daqui.)

 

 

Curiosamente, o European Space Policy Institute publicou esta semana mais um número do "Perspective" onde aponta motivos contra um bilhete de ida para Marte. Podem ler o documento, em inglês apenas, aqui.

Convite à impresa: lançamento do Sentinel-1

Março 27, 2014

Vera Gomes

 

Chegada do Sentinel-1 a Kourou na Guiana Francesa
Crédito: ESA

 

 

 

 

O primeiro satélite europeu do programa Copernicus está pronto para ser lançado do Porto Espacial Europeu na Guiana Francesa, a 3 de Abril, às 21:02 GMT (23:02 CEST). Os representantes dos Media são convidados a seguir o lançamento online ou a assistir ao principal evento da ESA, no centro de operações, o ESOC, em Darmstadt, Alemanha.

 

Os Sentinels, uma nova frota de satélites da ESA, estão prontos a enviar uma imensa quantidade de dados e imagens, essenciais ao programa europeu Copernicus.

 

Ao oferecer uma boa quantidade de serviços para uma vasta gama de aplicações, este programa de monitorização global é um passo em direção à mudança na forma como gerimos o nosso ambiente, entendendo e enfrentando os efeitos das alterações climáticas e salvaguardando a vida quotidiana.

 

O primeiro da série, o Sentinel-1A, transporta um radar avançado que permite obter imagens diurnas e noturnas da superfície da Terra, em todas as condições meteorológicas.

 

Sendo uma futura constelação de dois satélites (Sentinel-1A e -1B), a missão irá varrer todos os locais da Terra, a cada seis dias, transmitindo dados a estações em terra de todo o mundo, para uma rápida divulgação.

 

A missão irá beneficiar inúmeros serviços. Por exemplo, serviços que estão relacionados com a monitorização da extensão dos gelos marinhos no Ártico, mapeamento de rotina dos gelos marinhos, vigilância do ambiente marinho, incluindo derrames de petróleo e deteção de navios para segurança marítima, monitorização da superfície do terreno para avaliação de riscos de derrocada, fazendo a cartografia para a gestão das florestas, água solos e para o apoio a situações de crise e de necessidade de ajuda humanitária.  

 

O Sentinel-1 é o resultado de uma colaboração estreita entre a ESA, a Commissão Europeia,a indústria, os fornecedores de serviços e os utilizadores dos dados. Desenhado e construído por um consórcio de cerca de 60 empresas, lideradas pela Thales Alenia Space e pela Airbus Defence and Space, é um exemplo extraordinário da excelência tecnológica da Europa.

 

Para as notícias mais recentes sobre a missão, visite www.esa.int/Sentinel-1

 

Website

O Portal da ESA irá transmitir o lançamento em direto, fornecendo imagens e atualizações  em: www.esa.int/esalive and www.livestream.com/eurospaceagency  

 

ESA TV

Em cooperação com a Arianespace, a ESA TV irá disponibilizar às televisões imagens em direto da transmissão de satélite ou o videostream do lançamento. Detalhes em: http://esatv.esa.int/Television

 

Artigos sobre o Sentinel e informações sobre a missão: http://www.esa.int/spaceinvideos/Sets/Sentinel-1_video_gallery ou em:http://esatv.esa.int/Television

 

Imagens

As imagens mais recentes da missão:

- Multi-Media Gallery:

http://www.esa.int/spaceinimages/content/search?SearchText=sentinel-1&img=1

- Galeria de fotos para profissionais da ESA:

http://www.esa-photolibrary.com

Pedidos de imagens devem ser enviados para: spaceinimages@esa.int

Galileo: inaugurada estação de monitorização de satélites nos Açores

Março 27, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

Representantes do Governo Regional dos Açores, da Agência Espacial Europeia (ESA) e da Edisoft estrearam ontem, na ilha de Santa Maria, uma estação de análise do sinal enviado pelos satélites Galileo.

 

Chama-se Galileo Sensor Station (GSS) e acaba de ser inaugurada na ilha de Santa Maria, nos Açores. A nova estação, que foi construída pela Edisoft, tem por objetivo monitorizar a qualidade do sinal e o posicionamento dos satélites Galileo, da ESA.

 

 

 

 

 

Para cumprir a missão para que foi idealizada, a GSS vai recorrer a antenas VSAT (sigla de very small aperture terminal). A nova estação vai operar de forma concertada com outras estações GSS que se encontram dispersas pelo Globo, com o objetivo de detetar desvios orbitais, informa um comunicado da Edisoft. 

 

A análise destes desvios permite evitar a degradação da precisão dos sinais que a constelação de satélites Galileo envia para a Terra com o objetivo de servir de referência para serviços de navegação.

 

A Edisoft refere ainda que, até ao final do ano, a estação GSS agora inaugurada deverá receber um sistema de busca e salvamento que permite localizar barcos, aviões ou mesmo pessoas através de comunicações por UHF.

 

A ligação da Ilha de Santa Maria à indústria aeroespacial já tem um “histórico”: antes da GSS já estava a ilha açoriana já albergava a ESA Tracking Station. A localização do arquipélago, a meio do Oceano Atlântico, e a existência de recursos humanos qualificados no local terão sido determinantes para a escolha da nova GSS. A estes dois fatores junta-se ainda o contributo do Governo Regional, que cedeu o terreno para a instalação da GSS.

 

João Araújo, Presidente da Edisoft recorda que a inauguração de hoje é um contributo importante para a consolidação dos Açores no que toca à indústria aeroespacial: «Este segundo contrato adjudicado pela ESA vem confirmar a confiança da agência nas capacidades da Edisoft no setor espacial, fruto do conhecimento adquirido no desenvolvimento e operação de estações terrestres».

 

O comunicado da Edisoft não revela o investimento exigido para a construção da nova estação GSS.

 

(retirado daqui.)

Tempo para os EUA para colaborarem com a China no Espaço

Março 26, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

 

Andrew M. Johnson da Universidade de Clemson faz um dos principais apelos à cooperação EUA e chinesa na exploração do espaço para promover o bem-estar financeiro e técnico dos dois países. A legislação actual EUA impede a cooperação bi-lateral.

A relação bilateral EUA-China é a mais importante do século XXI. A fim de manter a fidelidade dessa relação e trazer potenciais avanços na capacidade produtiva e tecnológica que esta relaçao poderia desbloquear, é necessária uma abordagem bilateral EUA-China para a exploração do espaço.

 

Apesar do facto da China ser um membro da Comissão para o Uso Pacífico do Espaço Exterior das Nações Unidas e ter assinado todos os tratados relacionados com o espaço, os membros do Congresso Americano proibiram qualquer forma de cooperação entre a NASA e a Administração Nacional de Espaço da China (CNSA) desde 2011. Para iniciar um relacionamento significativo entre os tecnólogos e empreendedores dessas destes dois países, actuais e futuros, os formuladores de políticas dos EUA devem reconsiderar a relação custo-benefício e os trade-offs associados a um compromisso de longo prazo para a exploração do espaço com cooperação com a China.

 

Para ler todo o artigo escrito por Andre Johson, basta clicar aqui.

Os preços dos transportes privados ao Espaço

Março 25, 2014

Vera Gomes

 

(Retirado do site da Space X)

 

 

O preço actual do Falcon Heavy 9 é tão "barato" quanto 77.100 mil dólares para 53.000 kg para a órbita baixa da Terra. Se o Falcon 9 e Falcon Heavt 9 se tornarem reutilizáveis​​, eles podem cada um ter uma capacidade de carga útil de cerca de 66% da versão não-reutilizáveis. Além disso, o preço do Falcon 9  pode cair de $ 56.5 milhões de dólares para um intervalo de "$ 5 US $ 7 milhões" para um único vôo.

Assumindo a mesma estimativa percentual para a queda de preço para o reutilizável Falcon Heavy 9, que daria um preço para a órbita de US $ 200-300 por quilograma. O reutilizável Falcon Heavy 9 pode ser capaz de transportar o equivalente a seis cápsulas do Dragon por um custo de US $ 7 a US $ 10 milhões por lançamento, ou US $ 1 milhão para 2 milhões dólar por cápsula. Isso poderia conduzir o custo de lançamento por lugar para um habitat Bigelow de US $ 200.000. Esperemos que os Dragon se tornem reutilizáveis também.

 

 

(Retirado daqui.)

A China, os EUA, a Rússia e os testes anti-satélite

Março 24, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

 

A 13 de Maio, 2013 a China lançou um foguete a partir do Centro Espacial de Xichang na província de Sichuan. A Academia Chinesa de Ciências afirmou que era uma missão depesquisa científica. Fontes do governo dos EUA não oficiais dizem que na verdade era um teste de um novo míssil balístico relacionado com o programa chinês anti-satélite (ASAT).

 

Brian Weeden da Secure World Foundation, escreveu um artigo qie utiliza a informação de código aberto, incluindo imagens de satélite comercial compradas à DigitalGlobe, para avaliar estas alegações. Também compara o que é conhecido sobre este teste ASAT chinês no espaço com o teste ASAT americano e russo realiazdos no espaço ao longo dos últimos cinco décadas.

 

Podem ler o artigo na íntegra aqui.

Sugestão leitura

Março 21, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

Kenneth Waltz doutorou-se na Universidade de Columbia, onde leccionou até 1957. Desde então, ensinou em Swarthmore, Brandeis e Berkeley, e apresentou diversas conferências em Harvard, na London School of Economics e na Universidade de Pequim. Em 1997 regressou à Universidade de Columbia, onde é actualmente Professor adjunto de Ciência Política.Durante grande parte da sua carreira, propôs controversas teorias realistas sobre a política mundial. Recebeu em 1999 o Prémio James Madison pelas suas «contribuições para a Ciência Política», atribuído pela Associação Americana de Ciência Política.É também autor de "Man, the State, and War: A Theoretical Analysis" (1959), uma obra de referência, e da monografia "The Spread of Nuclear Weapons". Este é o primeiro título de um conjunto de livros de referência fundamentais na área das relações internacionais e da geopolítica e é a sugestão de leitura desta semana.

 

Podem encontrá-lo aqui (em inglês) ou compa-lo aqui

Orçamento indiano para 2015

Março 20, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

 

 

O orçamento Interino da Índia para 2014-15 apresentado no parlamento foi apresentado em meados de Fevereiro de 2014.

Agora, com as eleições parlamentares a serem anunciadas para ocorrerem em Abril / Maio de 2014, espera-se que este orçamento provisório, seja finalizado nos próximos meses.

 

No entanto, para qualquer governo no poder, havia necessidade de manter a continuidade com as principais políticas e, partindo dessa perspectiva, nenhuma troca radical deverá ser feita pelas novas disposições do orçamento do governo.

 

Na Índia, parece haver uma ampla aceitação política entre as várias partes sobre as políticas de ciência e tecnologia em geral. Assim, espera-se que nenhuma grande troca nas disposições orçamentais neste campo aconteça quando o novo governo chega ao poder em Maio de 2014.

 

Podem le rmais sobre este assunto e as implicações para o programa espacial indiano aqui.

Código Espacial de Conduta e as empresas privadas

Março 19, 2014

Vera Gomes

 

Antares Orb-1 launch
(credito: Orbital Sciences Corp.)

 

 

 

 

 

O Código Internacional de Conduta para Actividades no Espaço Exterior continua a ser objecto de debate na comunidade internacional. A questão de como o código irá afetar o espaço exterior e segurança nacional continua a ser a base deste debate e da negociação sobre a proposta. Há muitas questões que precisam ser abordadas, mas uma preocupação é como o código afectará a indústria espacial comercial.

 

Se o código é adoptado e se torna um jogador no que se refer a segurança do espaço exterior terá efeito nas actividades espaciais comerciais, atividades espaciais e de negócios poderá ser um problema menor caso o Código seja adoptado. Ainda assim, é prudente reconhecer que Código poderá ter consequências imprevisíveis para além dos benefícios que defende caso seja adoptado. 

 

Michel Listner assina um artigo na Space Review desta semana onde tenta brevemente abordar a natureza jurídica do Código e que efeito, se houver, poderá ter na indústria espacial caso o Código seja implementado

 

Podem ler o artigo aqui.

Sugestão de leitura

Março 14, 2014

Vera Gomes

 

 

 

 

O livro que vos deixo esta semana é o "Toward a Theory of Spacepower", que reúne uma série de ensaios de diveros autores, editado por Charles D. Lutes e Peter L. Hays.

 

Mais de um século atrás, a rápida expansão do comércio global provocada pelo advento do sistema de propulsão a vapor e os avanços na concepção de navios e construção trouxe uma nova política de segurança nacional para os Estados Unidos. Em primeiro lugar, até que ponto a prosperidade económica americana dependem de ser um importante participante activo no comércio marítimo? Em segundo lugar, quais foram as implicações navais de tal acção no que diz respeito à extensão e defesa de importante dos interesses americanos vitais? Em terceiro lugar, qual o papel que o Governo dos EUA desempenha na promoção da actividade comercial e marítimo. A criação das forças navais necessárias para proteger o comércio exterior norte-americana? E em quarto lugar, que mudanças, se houveram, foram necessárias em relação ao rumo da política externa norte-americana? Em 1890, o capitão Alfred Thayer Mahan, um oficial em serviço na Marinha os EUA, publicou "The Influence of Sea Power upon History , 1660-1783" . Este livro forneceu uma declaração abrangente sobre o comércio marítimo, o poder naval, a política do governo , e política internacional , que se tornou o ponto de partida teórico para quase toda a discussão sobre o que foi amplamente considerado como o mais importante problema da segurança nacional, tanto no Estados Unidos e no mundo.

Hoje, a importância do espaço como um local para a actividade económica e militar, em certos aspectos se assemelha às condições de comércio marítimo e o poder naval no final do século 19. Estas circunstâncias deve-se a duas questões: em primeiro lugar, é uma exploração com base em história de perspectivas e possibilidades de poder espacial, na forma de Mahan, uma proposição intelectual viável ? Em segundo lugar, se a sua obra contém idéias que são aplicáveis ​​ao poder espacial? Dirigindo-se estes questões, no entanto , requer uma sólida atuação , ou seja, uma compreensão exata dos principais argumentos de Mahan e sua forma de raciocínio. Infelizmente, o mal-entendido Mahan é a regra e não a excepção . Sua escrita é raramente ler, e a maior parte da literatura crítica é corrompido por grave erro interpretativo. O que se segue é uma representação esquemática do seu argumento que pode estar relacionado com a consideração da natureza do problema teórico do espaço- poder.

 

Este livro está à venda na Amazon aqui. Está disponível em formato PDF e gratuito aqui.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow