Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Astropolítica

"Se se pudessem interrogar as estrelas perguntar-lhes-ia se as maçam mais os astrónomos ou os poetas." Pitigrilli

Emirados Árabes Unidos continuam a apostar forte

Julho 01, 2016

Vera Gomes

 

Os Emirados Árabes Unidos continuam a apostar forte em desenvolver uma conhecimento e indústria espacial. Nos últimos anos têm vindo a estabelecer protocolos de cooperação com as maiores agências espaciais mundiais além de ter desenvolvido a sua própria lei espacial e ser o anfitrião de inúmeros eventos internacionais relacionados com espaço.

 

Agora, a Lockheed Martin vai trabalhar com a Agência Espacial Emirados Árabes Unidos para oferecer oportunidades de formação espaço nos EAU. A empresa anunciou há duas semanas que foi assinado um memorando de entendimento com a agência para fornecer um programa de formação e estágios de quatro meses para estudantes e jovens profissionais como parte dos esforços da agência para desenvolver uma força de trabalho na área do espaço. Esse programa de formação terá lugar nas instalações da Lockheed Martin nos Emirados Árabes Unidos e os EUA. 

Spin-off na área do espaço dão lugar a 400 novas empresas: o caso português

Abril 22, 2016

Vera Gomes

A incubação de empresas da ESA ultrapassou as 400 novas empresas. A iniciativa, que tem como base o aproveitamento de tecnologia e experiência espacial para criar novos negócios e empregos na Europa, também impulsiona a economia local e a competitividade europeia.   

  

Graças a estas start-ups e aos seus empreendedores, as tecnologias de ponta e os conhecimentos gerados nos programas espaciais europeus são usados para criar sofisticadas aplicações terrestres.    

 

“Desde 2003, a nossa iniciativa de incubação deu origem a mais de 400 empresas, o que mostra o valor da iniciativa, ao trazer para Terra os benefícios da tecnologia espacial,” nota Franco Ongaro, Diretor de Gestão Técnica e da Qualidade da ESA e responsável pelo centro de desenvolvimento e investigação do ESTEC.

 
“Os estados membros perceberam o potencial de usar tecnologias e serviços do espaço para criar novos negócios e emprego – fazendo isso sob alçada do nosso bem validado esquema de incubação.  


“Os empreendedores e as pequenas companhias trazem as suas ideias e nós apoiamo-los com aconselhamento técnico da ESA e aconselhamento financeiro dos nossos parceiros, o que lhes permite desenvolver-se e formar empresas europeias viáveis.”

 

Neste momento, existem já 12 Centros de Incubação de Empresas da ESA, em nove países europeus (em Portugal, funciona no espaço do Instituto Pedro Nunes), estando prevista a abertura de outros quatro ainda este ano, prevendo-se que surjam 130 novas start-ups a cada ano. 

 

Trazer para a Terra um sensor usado em Marte, para melhorar os cuidados de saúde, ajudar o desenvolvimento em África com sistemas baseados em navegação por satélite, ou ainda o projeto desenvolvido por uma empresa portuguesa que prevê a utilização de dados de observação da Terra para assistir a pacientes com doença respiratória, são alguns dos exemplos do que se desenvolve nas incubadoras apoiadas pela ESA.

 

Conhecer a poluição para melhorar as condições de saúde 

Na incubadora de empresas da ESA, em Portugal, a SpaceLayer Technologies está a desenvolver a app SOUL, para minimizar o risco da poluição atmosférica. Ao usar dados de observação da Terra, irá fornecer alertas acerca da qualidade do ar a pacientes pacientes com doenças respiratórias, como a asma. 

 

Além de elevar o risco para pessoas com determinadas patologias, a poluição atmosférica também afeta a produtividade e o estado geral de saúde, e pode desencadear doenças como rinite, conjuntivite e perturbações dermatológicas. 

“Com base numa rede de sensores instalada em veículos em movimento, as imagens de satélite de observação da Terra bem como informação do perfil médico de uma pessoa, podemos prever situações atuais e futuras em termos de poluição,” explica Paulo Caridade, CEO na SpaceLayer Technologies. 

“Isto pode ajudar o utilizador a tomar decisões sobre a forma como deve evitar ou reduzir a exposição à poluição.” 

A empresa espera ter a sua app pronta no final deste ano. 

 
ukowapi team

Encontrar um endereço em África 

Outro exemplo é a start-up ukowapi, do centro de incubação de empresas da ESA em  Darmstadt, Alemanha. “ukowapi” é Swahili para “Onde estás?” 

A empresa está a desenvolver uma sistema baseado em navegação por satélite para apoiar o comércio eletrónic, em crescimento no Quénia. Atualmente não há qualquer plataforma organizada para ir ao encontro da oferta e da procura. O serviço irá permitir que as grandes cadeias façam entregas online, rapidamente e em todo o país, o que é particularmente relevante se pensarmos que os endereços físicos não funcionam.  

“Imagine poder chegar até qualquer ponto no Quénia, onde as ruas muitas vezes nem sequer têm nomes,” diz o CEO da ukowapi, Steve Odhiambo.

“A entrega será feita em scooters elétricas. O que além de reduzir a pegada ecológica, reduz ainda os custos operacionais.” 

Para reduzir os custos, a ukowapi também pretende instalar painéis solares para alimentar as motas. 

Na competição europeia de navegação por satélite, em 2014, a ukowapi ganhou o Prémio Galileo Masters Hesse e ficou em segundo lugar na classificação geral, de entre mais de 400 participantes em todo o mundo. 

 

 

A iniciativa começou sendo parte do Programa de Transferência de Tecnologia da ESA, há 13 anos, para ajudar os empreendedores e as start-ups a lançar negócios, baseados em investigação espacial. 

No final de 2016 a iniciativa terá centros na Holanda, Alemanha, Itália, Reino Unido, França, Espanha, Suécia, República Checa, Áustria, Irlanda e Suíça. Em Portugal, existe desde 2014. 

Tipicamente, os centros aceitam novas empresas e empreendedores três ou quatro vezes por ano, num processo de seleção europeu. 

Além de espaço de escritório, cada start-up recebe financiamento no valor de 50 mil euros, recebendo apoio a angariar fundos de capital de risco. 

Nos dois anos de permanência nos centros, têm acesso a redes internacionais, apoio de institutos de investigação nacionais e parceiros industriais, bem como orientação nos negócios. 

 

Mais sobre os centros de incubação da ESA aqui.

 

 

Parceria para o lançamento de estações espaciais comerciais: match made in heaven?

Abril 15, 2016

Vera Gomes

Robert Bigelow (left) and ULA CEO Tory Bruno (right) posed with a model of the the B330 at a press conference Monday afternoon at the 32nd Space Symposium. Credit: SpaceNews/Jeff Foust

 

A Bigelow Aerospace and e a United Launch Alliance anunciaram uma parceria para lançar estações espaciais comerciais. As empresas planeiam trabalhar no lançamento de módulos expansíveis Bigelow B330 na maior versão do Atlas 5, com um primeiro lançamento planeado o mais tardar para 2020. A parceria ainda está nos seus estágios iniciais, e ainda não envolveu contratos para lançamento. A Bigelow disse que tem estado em conversações com a NASA sobre a instalação de um módulo de B330 na ISS, tornando-o disponível para a NASA e também numa base de "timeshare" para usuários comerciais.
 
Podem ler mais sobre este projecto, aqui.

Para o Universo e mais além

Abril 14, 2016

Vera Gomes

 

O bilionário russo Yuri Milner anunciou, esta semana no Space Symposium que ocorreu em Colorado Springs (EUA), um projecto de 100 milhões de dólares para desenvolver a tecnologia para viajar no espaço interestelar. O projecto, que se chama Starshot, irá desenvolver tecnologia que permitirá à nave espacial do tamanho do tamanho de um chip ser acelerada por laser e viajar em até 20 por cento da velocidade da luz. Tal nave espacial poderá viajar até ao sistema estelar mais próximo, Alpha Centauri, em cerca de duas décadas. Pete Worden, ex-director do Centro de Pesquisa Ames da NASA, irá liderar o programa, com um conselho consultivo que inclui Milner, o físico Stephen Hawking e fundador do Facebook, Mark Zuckerberg.

 

Podem ler mais sobre projecto, aqui.

‘Moon Shot,’ a história do Google Lunar XPRIZE

Março 17, 2016

Vera Gomes

Já está disponível online um documentário sobre a competição Google Lunar XPRIZE. 

 

As nove partes do documentário "Moon Shot" sobre as equipas que competem para pousar uma sonda na Lua está disponível gratuitamente no Google Play gratuitamente, e estará no YouTube hoje. O documentário, teve a sua estreia mundial no início desta semana no festival South by Southwest em Austin, Texas, segue algumas das 16 equipas ainda em busca dos 30 milhões de dólares em prémios.

 

O que fazer para assegurar a liderança?

Março 11, 2016

Vera Gomes

Uma associação de 13 organizações da indústria espacial dos EUA lançou um documento no passado dia 4 de Março para ajudar os candidatos às presidenciais americanasa compreender a necessidade de assegurar a liderança dos EUA no espaço. O documento não advoga para qualquer programa específico, mas de forma mais ampla explica por que razão os Estados Unidos devem ser um líder, os desafios que enfrenta e quais acções que os políticos poderiam tomar.

Liderado pelo Instituto Americano de Aeronáutica e Astronáutica (AIAA), a Space Fo undation,  e a Federação para o Comércio Voos Espaciais (CSF), as organizações argumentam que os investimentos do governo e do sector privado no espaço representam US$330 bilhões da indústria global e permitirem uma ampla gama de capacidades fundamentaais para a segurança nacional, redes de comunicações, e da estudo da Terra. No entanto, uma lista de desafios ameaçam a liderança americana, incluindo o financiamento imprevisível; a concorrência estrangeira; um ambiente espacial congestionado, contestado e competitivo, e as tendências da força de trabalho. O documento lista 10 acções que são necessárias, que vão desde comprometendo-se a orçamentos previsíveis e que revoga o Budget Control Act de 2011 (que requer o sequestro se os orçamentos exceder os limites especificados) para restaurar a capacidade dos EUA de lançar astronautas para o espaço e para o reforço da base industrial dos EUA para conseguir o compromisso de um programa espacial de segurança nacional que mantenha o domínio norte-americano no espaço.

As restantes 10 organizações envolvidas no documento são: AAerospace Industries Association, Aerospace States Association, American Astronautical Society, Coalition for Deep Space Exploration, Colorado Space Coalition, Students for the Exploration and Development of Space, Satellite Industry Association, Silicon Valley Space Business Roundtable, Space Angels Network, e Space Florida.

O documento é publicado nos sites de muitas dessas organizações e podem lê-lo aqui.

 

 

A estrela mais brilhante do céu poderá ser russa

Março 10, 2016

Vera Gomes

Illustration of the “Beacon” unfurling from its canister when it reaches orbit. The Mayak Project used the Russian version of Kickstarter called Boomstarter to fund the project. Credit: cosmomayak.ru / Mayak Project

 
Em breve poderemos olhar para cima e ver um satélite mais brilhante do que a estação espacial e até mesmo Vénus a deslizar sobre o céu noturno, caso se o esforço de crowdfunding russo seja concluido com êxito. Uma equipa entusiasta de estudantes de Engenharia Mecânica da Universidade de Moscovo está a usar o Boomstarter, o equivalente russo do Kickstarter, para reunir o dinheiro necessário para construir e lançar um satélite em forma de pirâmide, feita de material altamente reflexivo. O nome do satélite é Mayak, Russo para "Beacon".
 
Até o momento, o projecto recolheu mais de 23.000 dólares, ou 1,7 milhões de rublos. A julgar pelo vídeo, a equipa já construiu o recipiente que iria transportar o satélite (dobrado dentro) e executou um teste de alta altitude usando um balão.
 
Se o financiamento é assegurado, Mayak está programado para ser lançado a bordo de um foguete Soyuz-2 a partir do Cosmódromo de Baikonur, no segundo trimestre deste ano.
 

 

É a grande notícia do fim de semana que passou

Fevereiro 22, 2016

Vera Gomes

 

 

Depois do desastre fatal com o VSS Enterprise em Outubro de 2014, a Virgin volta a apresentar uma nave que pretende transportar turistas até ao espaço, a VSS Unity. O acidente foi atribuído a um erro do piloto e descuidos da Scaled Composites, que destruiu a nave durante a fase de testes sobre o deserto de Mojave na Califórnia. No entanto, a The Spaceship Company, unidade própria da Virgin Galactic, já estava em construção adiantada da segunda SpaceShipTwo da frota quando o acidente ocorreu.

 

Na aparência, a nova é quase idêntica à versão anterior. A maior diferença entre os dois veículos é a adição de um pino para evitar que o piloto destrave a seção de cauda de giro da nave muito antes da descida, o que causou a desintegração da primeira nave, disse o presidente-executivo da Galatic, George Whitesides.

 

 

A nave para dois pilotos e seis passageiros é projetada para atingir altitudes de 100 km para além da atmosfera terrestre, fornecendo alguns minutos de ausência de gravidade e uma visão da Terra contra a escuridão do espaço. Já há cerca de 700 passageiros incritos para passeios, com o custo de 250 mil dólares cada, embora ainda não tenham sido divulgadas quaisquer datas dos futuros voos.

 

A evento contou com a presença de Richard Branson, e foi "narrado" pelo famoso astrofísico Stephen Hawking, que batizou o modelo apresentado e que já foi convidado para o voo inaugural.

 

 

(retirado daqui)

Menos 80%

Fevereiro 19, 2016

Vera Gomes

 http://www.parabolicarc.com/wp-content/uploads/2011/07/zenit_launch.jpg

 

A indústria espacial da Ucrânia perdeu 80 por cento da sua receita desde o início do conflito com a Rússia. Um relatório do Fundo Monetário Internacional concluiu que as empresas espaciais ucranianas perderam cerca de  $75 milhões de doláres por ano, principalmente por causa de cancelamentos de contratos por empresas russas. As empresas ucranianas estão envolvidas nos veículos de lançamento Dnieper e Zenit, que estão a ser substituidos pela Rússia, e peal joint-venture Sea Launch interrompeu a sua actividade desde o seu último lançamento em Maio de 2014.

 

Para saber mais sobre este assunto basta clicar aqui.

Mars 2030

Fevereiro 09, 2016

Vera Gomes

 Uma aplicação de realidade virtual chamada "Mars 2030" irá utilizar imagens tiradas pelos rovers da NASA que se encontram em Marte para que possa oferecer uma experiència o mais autêntica possível aos utilizadores.

 

A Mars 2030 está a ser desenvolvida numa parceria entre NASA, Fusion Media, o Space Systemas laboratory do MIT e criadores de jogos que antes trabalharam na empresa Irratinal Games.

 

O lançamento desta aplicação está previsto para 2016, mas ainda não há uma data concreta.

 

Podem ler mais sobre esta aplicação aqui e aqui.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Onde compro livros

Free Delivery on all Books at the Book Depository

Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2014
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2013
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2011
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2010
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2009
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2007
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2006
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2005
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Follow